for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Exportação de carne do Brasil aumenta 12% no ano até agosto; China compra 65,8% mais

Gado zebu em Paulínia REUTERS/Paulo Whitaker

SÃO PAULO (Reuters) - As exportações brasileiras de carne bovina aumentaram 12% no acumulado do ano até agosto, para cerca de 1,3 milhão de toneladas, com impulso de importações pela China, que elevou em 65,8% as compras no mesmo período, informou nesta terça-feira a associação Abrafrigo.

Os chineses, que ampliaram compras diante da redução da oferta de proteína animal por impactos da peste suína africana em seu plantel, responderam por 62,4% de toda a carne bovina exportada pelos brasileiros no ano até agosto, segundo a Abrafrigo, com base em dados do governo brasileiro.

O cálculo leva em consideração o produto que entra pela China continental (530.458 toneladas) e pela cidade Estado de Hong Kong (212.261 toneladas), disse a associação em nota.

Depois da China, o segundo maior cliente do Brasil foi o Egito, com a importação de 91.529 toneladas de janeiro a agosto, queda de 25,4% na comparação anual.

O Chile veio na terceira posição com 50.360 toneladas adquiridas (-34,2%), enquanto a Rússia ficou com a quarta posição com 43.177 toneladas (-4,6%).

Na quinta posição estão os Estados Unidos, que elevaram suas compras em quase 40%, para 34.502 toneladas. Na sexta posição, as Filipinas, com 25.660 toneladas (+23,4%), e, na sétima, os Emirados Árabes, com 25.595 (-58,2%).

A Abrafrigo citou ainda que o Brasil registrou, em agosto, novo recorde de exportações para o mês, com um total de 191.141 toneladas de carne (in natura e processada), com a China levando 108 mil toneladas.

A receita em agosto alcançou 753,2 milhões de dólares, alta de 19% em relação ao mesmo mês de 2019. No ano, o faturamento atingiu 5,4 bilhões de dólares, crescimento de 23%.

Por Roberto Samora

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up