for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Dólar dispara 2,5% contaminado por estresse no mercado de juros

14/11/2014 REUTERS/Gary Cameron

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar disparava mais de 2% nesta sexta-feira, chegando a superar 5,34 reais, alavancado por forte pressão no mercado de juros futuros em meio a um amplo mau humor doméstico devido à incerteza fiscal e a dúvidas sobre a capacidade do Banco Central de manter os juros baixos.

O dólar à vista saltava 2,46%, a 5,3606 reais na venda, perto da máxima do dia, de 5,3642 reais (+2,53%).

Na mínima, tocada ainda pela manhã, a moeda marcou 5,2405 reais (+0,16%).

Segundo analistas, o câmbio sentia o desconforto emanado do mercado de DI, no qual as taxas longas disparavam 35 pontos-base, provocando uma escalada na já dilatada inclinação da curva --uma medida de risco.

“Mercado preocupado com a inflação. Mercado de DI estressando e dólar indo junto... Tesouro com liquidez baixa. E o BC vai deixar o dólar andar? Vai entrar num círculo vicioso muito ruim”, comentou o gestor Alfredo Menezes, da Armor Capital.

O mercado de juros vem de dias sob intenso estresse, devido a crescentes dúvidas sobre a capacidade do Tesouro Nacional de refinanciar a dívida pública diante do forte aumento de gastos para combater os efeitos da pandemia e da percepção de evolução da agenda de reformas muito aquém do necessário.

Além disso, o salto na inflação no atacado tem estimulado debates sobre contaminação dos preços ao consumidor, num momento em que o Banco Central expressa intenção de manter a Selic na mínima recorde de 2% por um período prolongado.

O patamar baixo da Selic tem sido apontado por alguns analistas como um dificultador adicional para o financiamento da dívida pública e estaria relacionado aos crescentes deságios nas negociações com LFT (título cuja rentabilidade é atrelado ao juro básico) e a aumentos expressivos nos prêmios cobrados para compra de prefixados.

Na semana passada, o Tesouro fez o maior leilão de prefixados da história, em termos de risco, uma megaoperação de 44,5 milhões de títulos públicos, sem colocação integral. Na véspera, o Tesouro vendeu apenas 18% das 500 mil LFT ofertadas.

Por José de Castro

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up