for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

EUA vendem 71,1 mil t de arroz ao Brasil; volume no ano já é o maior desde 2003

SÃO PAULO (Reuters) - O governo dos Estados Unidos informou nesta quinta-feira registro de venda de mais 71,1 mil toneladas de arroz ao Brasil, conforme dados do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), em um momento em que brasileiros recorrem a origens atípicas do produto para lidar com preços recordes do produto.

11/03/2013; REUTERS/Chaiwat Subprasom

Com o registro desta quinta-feira, o total contabilizado pelo USDA de arroz norte-americano vendido ao Brasil chega a 108,3 mil toneladas neste ano.

O volume total já se configura como a maior venda de arroz dos EUA ao Brasil em um ano desde 2003, quando brasileiros importaram ao todo 486,45 mil toneladas, conforme dados do governo norte-americano.

Na semana passada, a associação do setor Abiarroz informou à Reuters que os EUA deverão responder pela maior parte do fornecimento nas compras recentemente feitas fora de países do Mercosul, desde que o Brasil implementou uma cota sem tarifa extra bloco comercial de 400 mil toneladas até o final do ano.

Dentro do Mercosul, as importações não pagam tarifas, que variam de 12% para o grão beneficiado e 10% sobre o produto em casca.

Além de 100 mil toneladas de arroz em casca dos EUA, a Abiarroz estimou compras de 70 mil toneladas do produto da Índia e 18 mil da Guiana.

Apesar das importações, os preços do arroz seguem em patamares elevados.

A cotação da saca de 50 kg do arroz no Rio Grande do Sul, maior produtor brasileiro, atingiu 104,29 reais na quarta-feira, perto de máxima histórica, conforme dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP.

O recorde, de 106,24 reais por saca, foi registrado pelo Cepea no último dia 23.

Os preços estão elevados após um maior consumo do produto durante a pandemia, com crescimento estimado em 2020 de cerca de 5% pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), para quase 11 milhões de toneladas.

Isso ocorreu após o país ter entrado no ano com estoques relativamente pequenos, nos menores níveis desde 2014, pelo menos, segundo a Conab.

Simultaneamente, as exportações brasileiras aumentaram mais de 70% nos oito primeiros meses do ano, para 1,15 milhão de toneladas, com um câmbio favorável ajudando a reduzir a oferta interna, conforme dados do governo, enquanto importações --em sua maioria de países vizinhos-- declinaram 17% nos primeiros oito meses do ano, para 417,4 mil toneladas.

Por Roberto Samora

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up