for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Preços do petróleo sobem por interrupção de oferta, mas fala de Trump dá sinal baixista

Petróleo na Pennsylvania (EUA) 06/10/2020 REUTERS/Brendan McDermid/File Photo

NOVA YORK (Reuters) - Os preços do petróleo avançaram mais de 2% nesta terça-feira, apoiados por expectativas de interrupções de oferta causadas pela chegada de um furacão ao Golfo do México e por uma greve de trabalhadores petrolíferos na Noruega.

O mercado, no entanto, devolveu ganhos em negociações pós-fechamento, depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmar que instruiu seu governo a não negociar um novo pacote de estímulos até depois da eleição presidencial de 3 de novembro.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em alta de 1,36 dólar, ou 3,29%, a 42,65 dólares por barril. O petróleo dos EUA (WTI) avançou 1,45 dólar, ou 3,7%, para 40,67 dólares o barril. No pós-fechamento, porém, o barril do Brent recuou a 42,19 dólares, enquanto o WTI atingiu 40,13 dólares/barril.

Trump retornou à Casa Branca após três dias hospitalizado para tratamento de Covid-19. Antes de ele tuitar sobre o fim das negociações de estímulos financeiros, a presidente da Câmara dos Deputados norte-americana, Nancy Pelosi, e o secretário do Tesouro do país, Steven Mnuchin, vinham discutindo um pacote de 1,5 trilhão a 2 trilhões de dólares.

“Parecia que algo iria se materializar, e agora isso foi implodido, então tudo está em liquidação... O complexo petróleo precisava desse estímulo para ajudar a reativar a demanda mais uma vez, e obviamente não vamos recebê-lo”, disse John Kilduff, sócio da Again Capital em Nova York.

Reportagem adicional de Ahmad Ghaddar, Sonali Paul e Seng Li Peng

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up