for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Bullard, do Fed, diz que "nível familiar" de disseminação da Covid-19 pode exigir nova "iniciativa de educação"

O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, fala sobre a economia dos EUA durante entrevista em Nova York em 26 de fevereiro de 2015. REUTERS/Lucas Jackson

WASHINGTON (Reuters) - O coronavírus pode estar se espalhando mais rapidamente agora “em âmbito familiar” em vez de nos ambientes empresariais, e um novo impulso dos Estados Unidos para mudanças no comportamento pessoal pode ser necessário para controlá-lo, disse nesta sexta-feira o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard.

Com o crescimento de casos atingindo recordes e as taxas de mortalidade e hospitalizações subindo nos EUA, Bullard observou que, uma vez que as restrições a muitas atividades comerciais permanecem em vigor, “pode ser que novos aumentos nas infecções estejam vindo mais de interações pessoais em âmbito familiar”.

Nesse caso, “uma iniciativa renovada de educação pública solicitando às famílias que tomem medidas para reduzir a transmissão da doença pode ser útil”, disse Bullard em comentários via webcast para o Clube Econômico de Memphis.

Bullard, que tem sido mais otimista do que muitos de seus colegas sobre a capacidade de empresas e famílias dos Estados Unidos de administrar os riscos da pandemia, disse em comentários preparados que sente que a adaptação, pelo menos no que diz respeito à economia, está ocorrendo mais rapidamente do que o esperado.

A taxa de desemprego dos EUA pode sofrer uma “queda substancial”, talvez para 4,9%, nos próximos meses, à medida que trabalhadores temporariamente dispensados continuam retornando a seus empregos, disse ele.

“Apesar deste sucesso, os riscos negativos permanecem substanciais”, com o vírus ainda não controlado, disse Bullard.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up