28 de Novembro de 2014 / às 21:08 / em 3 anos

Projetos do pré-sal resistem a quedas maiores de preços do petróleo, diz ANP

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os projetos do pré-sal do Brasil, que em geral demandam grandes investimentos para extrair o petróleo de áreas bastante profundas, resistem a preços mais baixos que os atuais sem serem inviabilizados, afirmou nesta sexta-feira a diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

“Não tem nenhum projeto do pré-sal que eu conheço que não resista a 72 dólares... ou que não resista a 60 dólares. Pode cair, ainda tem um bom espaço para cair”, afirmou Magda Chambriard em entrevista a jornalistas, após evento no Rio de Janeiro.

O petróleo tipo Brent, referência no plano de investimento da Petrobras, fechou nesta sexta-feira a 70,15 dólares o barril, com queda de 3,35 por cento.

Já o petróleo WTI, negociado nos Estados Unidos, fechou 66,15 dólares o barril, com queda de 10,23 por cento, ainda repercutindo a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de não cortar produção na véspera..

A Petrobras, que domina a produção no pré-sal, ainda pode lucrar se os preços caírem mais.

No ano passado, a estatal afirmou que poderia ganhar dinheiro com seus campos em águas ultra-profundas do pré-sal mesmo se Brent caísse para 40 dólares a 45 dólares por barril.

Já houve precedentes de tais colapsos. O petróleo Brent caiu para cerca de 36 dólares por barril no final de 2008, durante a crise financeira global.

SHELL DO BRASIL PREPARADA

A diretora-geral também defendeu a resistência de projetos fora do pré-sal.

“Ainda temos projetos muito robustos, porque o ganho de escala é imenso”, afirmou. “Ainda temos um pulmão bem grande.”

Uma das maiores produtoras privadas de petróleo no Brasil, a angloholandesa Shell, também está preparada para enfrentar diferentes cenários no Brasil, segundo explicou o presidente no país, André Araújo.

”A Shell normalmente é bem conservadora na hora de fazer a avaliação de seus projetos, e a gente coloca o custo de barril de uma forma conservadora... nós estamos tranquilos”, afirmou Araújo.

De acordo com o executivo, a angloholandesa sempre trabalha com a perspectiva de que o preço do petróleo é volátil e que os projetos têm vida muito longa e precisa resistir.

Araújo evitou fazer previsões sobre como a empresa espera que os preços se comportem.

”Eu acho que o mundo hoje é mais volátil, acho que viver hoje dentro de volatilidade é uma questão de sobrevivência e acho que é muito difícil falar hoje sobre tendência. Eu não tenho ainda o que falar, está todo mundo tentando entender em que direção vai”, afirmou o presidente da Shell.

Por Marta Nogueira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below