29 de Junho de 2015 / às 20:57 / 2 anos atrás

Apreensão com Grécia derruba Bovespa em dia com Plano de Negócios da Petrobras

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou a segunda-feira em queda, em sessão marcada pela repercussão ao novo Plano de Negócios e Gestão da Petrobras e nervosismo nas bolsas globais após a Grécia fechar seu sistema bancário e adotar controles de capital após fracasso nas negociações com os credores.

O Ibovespa caiu 1,86 por cento, a 53.014 pontos. O volume financeiro somou 5 bilhões de reais, novamente abaixo da média do ano, de quase 7 bilhões de reais.

Mercados globais reagiram desde cedo com nervosismo ao fechamento de bancos na Grécia, em meio à deterioração nas negociações com credores, após Atenas convocar referendo para o domingo sobre o acordo de reformas em troca de dinheiro.

Em Wall Street, o S&P 500 caiu 2,09 por cento.

Segundo o analista Marco Aurélio Barbosa, da CM Capital Markets, a percepção no mercado é de que há grandes chances de Atenas dar calote na parcela da dívida do Fundo Monetário que vence na terça-fera e muitos veem nesse default a senha para a saída dos gregos da zona do euro.

O profissional disse em nota a clientes que a reação negativa nos mercados está atrelada à “elevação do risco sistêmico” que o evento pode representar.

O pessimismo com a Grécia ofuscou a decisão do banco central chinês de cortar juros pela quarta vez desde novembro e diminuir a quantia de dinheiro que alguns bancos precisam reter em espécie, num esforço para impulsionar a economia.

DESTAQUES

PETROBRAS teve queda de mais de 4 por cento nas ordinárias e de 3,48 por cento nas preferenciais, após ter chegado a subir quase 3 por cento, na esteira do anúncio do Plano de Negócios e Gestão 2015/19 e expectativa do detalhamento do mesmo previsto para a partir das 18h, particularmente informações sobre emissões de ações. “Algumas coisas são mais fáceis de dizer do que fazer, ou seja, a paridade de preços e o grande plano de desinvestimento, que pode ser difícil de alcançar se a sociedade não aceitar vender o controle de alguns ativos. Mas a mensagem é tão boa e realista quanto se pode alcançar”, disse o analista do BTG Pactual Antonio Junqueira em nota a clientes.

BRADESCO e ITAÚ UNIBANCO caíram 2,2 e 1,27 por cento, respectivamente.

VALE teve queda de 2,69 por cento nas preferenciais, seguindo a queda do minério de ferro no mercado à vista da China, apesar de medidas para minimizar a desaceleração da economia. O JPMorgan elevou o preço-alvo do ADR (recibo da ação nos EUA) da Vale de 7 para 7,50 dólares no caso das ONs e de 6,50 para 7 dólares no das preferenciais, mas previu que os preços do minério ficarão pressionados no segundo semestre, assim como os preços de níquel, o que deve manter o fluxo de caixa livre da Vale sob pressão nos próximos dois anos. Isso e o nível de preço das ações mantém a recomendação “neutra” do banco para a empresa, apesar de os analistas acreditarem na adequação dos investimentos e capacidade da direção de guiar a empresa nos próximos trimestres.

AMBEV recuou 0,94 por cento. O Credit Suisse elevou o preço-alvo do papel de 17,50 para 19 reais, mas manteve a recomendação “neutra”. O analista Antonio Gonzalez acredita que a ação já está bem precificada. Entre os pontos negativos para 2016, citou que as margens podem começar a se deteriorar, assim como os investimentos de marketing e pressão nos custos devem continuar. O Credit Suisse também avaliou que um eventual fim do mecanismo de Juros sobre Capital Próprio é um importante risco para a companhia.

KROTON EDUCACIONAL e ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES recuaram ao redor de 4 por cento, conforme investidores seguiram analisando as últimas modificações no programa de financiamento estudantil Fies.

CSN também figurou entre as maiores perdas, com queda de 4,32 por cento. O Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda (RJ) propôs ação civil pública para suspender a licença para atividades da Usina Presidente Vargas, que pertence à companhia.

TELEFÔNICA BRASIL caiu 3,17 por cento, após avançar quase 6 por cento nos três pregões anteriores, em sessão ruim do setor de telecomunicações, por realização de lucro. Oi caiu 4,82 por cento e TIM Participações perdeu 4,30 por cento.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below