14 de Julho de 2015 / às 20:14 / 2 anos atrás

Dólar sobe 0,25% ante real após quedas fortes, mas dado fraco dos EUA limita avanço

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em leve alta em relação ao real nesta terça-feira, com investidores aproveitando para comprar divisas após dois dias de quedas que somaram mais de 3 por cento, mas números fracos sobre a economia norte-americana limitaram o avanço.

A moeda norte-americana subiu 0,25 por cento, a 3,1385 reais na venda, após perder 3,24 por cento nas duas sessões anteriores.

"Quando há um movimento súbito como o das duas últimas sessões, todo mundo aproveita o ímpeto, é natural", disse o superintendente de câmbio da corretora Tov, Reginaldo Siaca.

A moeda dos EUA recuou firmemente nos últimos dias, reagindo ao acordo entre a Grécia e seus credores que deve manter o país na zona do euro e, na véspera, a um fluxo de entrada relacionado a exportadores.

Nesta sessão, a divisa chegou a dar continuidade ao movimento, embalada por apostas de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, pode postergar o aumento dos juros diante de dados econômicos fracos. As vendas no varejo norte-americano recuaram 0,3 por cento no mês passado, resultado mais fraco desde fevereiro.

"O Fed deixou claro que vai se basear nos dados para decidir sobre os juros, e os dados de hoje vieram fracos", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

A continuidade dos juros baixos nos EUA manteria a atratividade de ativos de outros países, atraindo recursos para o Brasil. Nesse contexto, o dólar chegou a recuar a 3,1118 reais na mínima do dia, logo após a divulgação dos dados, mas o movimento perdeu ímpeto ao longo da sessão, tanto aqui quanto nos mercados externos.

Os mercados financeiros têm apontado que a alta de juros nos EUA deve acontecer até o fim deste ano, embora alguns apostem que virá apenas no ano que vem. Já economistas consultados em pesquisas da Reuters têm mantido suas previsões de que o aperto monetário começará em setembro.

Internamente, o mercado continuou concentrado nas discussões sobre eventuais mudanças nas metas fiscais do governo brasileiro. A decepção com a arrecadação nos últimos meses, em meio à forte desaceleração econômica, tem alimentado expectativas de que o governo pode ser obrigado a entregar um superávit primário menor que o anunciado previamente.

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, afirmou nesta terça-feira que o governo discute fixar uma banda para a meta de superávit primário, em meio a dificuldades no cumprimento do objetivo fiscal. A meta da economia para pagamento de juros da dívida é de 66,3 bilhões de reais neste ano, equivalente a 1,1 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

"O governo precisa achar um ponto de equilíbrio, entregar uma meta factível mas que ainda demonstre comprometimento", disse o operador de uma corretora nacional, sob condição de anonimato.

Nesta manhã, o Banco Central vendeu a oferta total no leilão de rolagem de swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares. Com isso, repôs ao todo o equivalente a 2,748 bilhões de dólares, ou cerca de 26 por cento do lote de agosto, que corresponde a 10,675 bilhões de dólares.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below