6 de Agosto de 2015 / às 12:44 / em 2 anos

Convergência da inflação à meta em 2016 melhorou, mas é preciso manter vigilância, diz BC

SÃO PAULO (Reuters) - A convergência da inflação para o centro da meta em 2016 tem se fortalecido e os riscos desse cenário são “condizentes com efeitos acumulados e defasados da política monetária”, mas que ainda é preciso manter-se “vigilante em caso de desvios significativos”.

Sede do Banco Central, em Brasília. 15/01/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino

Esse foi o recado principal dado pelo Banco Central nesta quinta-feira, por meio da ata do Comitê de Política Monetária (Copom), reforçando a ideia de que o ciclo de alta dos juros básicos deve ter chegado ao fim, mas deixando uma porta aberta para voltar a subi-los se algo mais grave acontecer.

”Os riscos remanescentes para que as projeções de inflação do Copom atinjam com segurança o objetivo de 4,5 por cento no final de 2016 são condizentes com o efeito defasado e cumulativo da ação de política monetária“, trouxe a ata. ”Mas exigem que a política monetária se mantenha vigilante em caso de desvios significativos das projeções de inflação em relação à meta.

Na semana passada, o BC elevou a Selic em 0,5 ponto percentual --a 14,25 por cento ao ano, maior nível em nove anos-- e sinalizou que estaria interrompendo esse ciclo monetário, que começou em outubro passado e gerou alta acumulada de 3,25 pontos percentuais.

O BC afirmou, e reafirmou na ata, que a manutenção desse patamar da taxa por “período suficientemente prolongado” é necessário para a convergência da inflação para o centro da meta --de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos-- no fim de 2016.

“O BC sinalizou que acabou o ciclo (de aperto) e que a queda (da Selic) vai depender, em parte, da política fiscal”, afirmou o economista-chefe do banco Fator, José Francisco Gonçalves, para quem a Selic permanece no atual nível até abril de 2016, quando passará a cair, fechando o ano a 11,25 por cento.

Pela ata, o BC argumentou que a “estratégia de política monetária está na direção correta”, diferentemente do que defendia nos documentos anteriores, de que os “avanços alcançados no combate à inflação... ainda não se mostram suficientes”.

FISCAL

O BC avaliou ainda que as mudanças na geração de superávit primário impactam as projeções de inflação e que os ajustes de preços relativos têm impactos diretos sobre a inflação. No mês passado, o governo reduziu fortemente as metas de economia para pagamento de juros da dívida em meio ao cenário de recessão econômica e instabilidade política.

Diante disso, o BC reafirmou que “a política monetária pode, deve e está contendo os efeitos de segunda ordem deles decorrentes, para circunscrevê-los a 2015”.

“O Copom pode voltar a elevar juros, mas num cenário em que tenha um desvio muito grande em relação ao que se projeta para o ano que vem. Ele se colocou uma barreira para voltar a aumentar o juro que é relativamente alta”, afirmou o economista-chefe, Icatu Vanguarda, Rodrigo Melo.

Pela ata, o Copom informou ainda que as mudanças na geração de superávit primário impactam as projeções de inflação e “podem contribuir para criar uma percepção menos positiva sobre o ambiente macroeconômico no médio e no longo prazo”. Mesmo assim, acredita que o setor público tende a ir para a zona de neutralidade, “e não descarta a hipótese de migração para a zona de contenção, mesmo que com menor intensidade”.

O quadro político e econômico turbulento, combinado com o salto do dólar em relação ao real, já vinha levando alguns investidores a apostarem que a autoridade monetária pode ter de elevar novamente os juros em setembro, próximo encontro do Copom.

Segundo cálculos da Reuters, desde a véspera, os DIs mostravam chances praticamente iguais de manutenção da Selic no próximo mês e elevação de 0,25 ponto, a 14,50 por cento. [L1N10G27Z]

Pela pesquisa Focus do BC, que ouve semanalmente uma centena de economistas, as expectativas de alta do IPCA para este ano são de 9,25 por cento, recuando a 5,40 por cento em 2016 e a 4,70 por cento em 2017. Somente no ano seguinte, ela ficaria no centro da meta, de 4,5 por cento.

Só em julho, o dólar subiu 10 por cento sobre o real, acumulando nos primeiros sete meses do ano quase 30 por cento de valorização. E, nesta semana, ultrapassou 3,50 reais, maior cotação em 12 anos.

Sem especificar números e pelo cenário de referência --que leva em consideração dólar a 3,25 reais e Selic a 13,75 por cento--, a autoridade elevou sua estimativa de inflação para 2015, permanecendo acima da meta, e manteve para 2016, também acima da meta.

Num movimento duro, os economistas da Bradesco Corretora passaram a ver outra alta da Selic de 0,5 ponto em setembro, ante estimativa de estabilidade. “O cenário de câmbio atual, o resultado da decepção com os resultados fiscais e a incerteza política dificilmente devem trazer alívio para as projeções de inflação. Pelo contrário, deve-se esperar revisão de alta das projeções de inflação para 2016 na pesquisa Focus”, escreverem em nota a clientes.

Reportagem adicional de Silvo Cascione, em Brasília

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below