3 de Setembro de 2015 / às 20:39 / 2 anos atrás

Dólar interrompe quatro altas seguidas e fecha estável ante real após sessão volátil

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar teve uma sessão volátil e encerrou estável frente ao real nesta quinta-feira, influenciado por ruídos sobre o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e pela perspectiva de vendas de divisas relacionadas à alta da CSLL sobre instituições financeiras, mas com preocupações locais mantendo a moeda norte-americana perto das máximas em quase treze anos.

O dólar ficou estável, a 3,7598 reais na venda. Na máxima do dia, a divisa subiu 1,53 por cento, a 3,8175 reais, maior nível intradia desde 11 de dezembro de 2002 (3,8200 reais). Na mínima, recuou 0,69 por cento, a 3,7338 reais.

“Os boatos de que o Levy poderia sair do governo incomodam muito o mercado. Por isso, quando você ouve algo no sentido contrário, a reação é bastante positiva também”, explicou o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

O ministro cancelou nesta quinta-feira sua viagem para a reunião do G20, na Turquia, para se reunir com a presidente Dilma Rousseff, informou a assessoria de imprensa do Ministério. Duas autoridades do governo disseram à Reuters que Levy não tem planos de renunciar e que a reunião foi convocada para discutir o Orçamento.

Em entrevista ao El País concedida na quarta-feira, Levy afirmou que não tem intenção de deixar o Ministério. Especulações sobre a possível saída do ministro pressionam os ativos brasileiros, por receios de que o governo abra mão da ortodoxia defendida por ele.

No início da semana, o governo enviou ao Congresso Nacional proposta para o Orçamento de 2016 prevendo inédito déficit primário. A notícia deu força às apostas em perda do selo de bom pagador do país, levando o dólar a disparar 5,83 por cento nas últimas quatro sessões.

O dólar também foi puxado para baixo nesta quinta-feira pelo aumento da CSLL sobre instituições financeiras, aprovado pela Câmara. Segundo a proposta, que segue ao Senado, a contribuição subirá para 20 por cento até 1º de janeiro de 2019, ante os atuais 15 por cento, o que pode levar bancos brasileiros com subsidiárias no exterior a vender dólares para manter sua proteção cambial.

“(A queda do dólar) aconteceu justo quando a Câmara dos Deputados iniciou a votação da medida provisória que aumenta a alíquota da Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL) do setor financeiro”, escreveu o operador da corretora SLW, João Paulo de Gracia Correa, em nota a clientes.

No fim da manhã, essas expectativas se somaram, segundo operadores, a entradas de divisas relacionadas ao cálculo da Ptax, taxa formulada pelo BC que serve de referência para diversos contratos cambiais.

Agentes financeiros continuaram ainda atentos à possibilidade de o Banco Central ampliar a atuação no câmbio, uma vez que a alta do dólar sobre o real tende a pressionar a inflação. “O mercado está desconfiado. O BC está quieto demais”, disse o operador de câmbio de uma corretora nacional.

Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de até 9,45 mil contratos de swap cambial tradicional, que equivalem a venda futura de dólares, para a rolagem do lote que vence no próximo mês. Ao todo, o BC já rolou 1,369 bilhão de dólares, ou cerca de 14 por cento do total de 9,458 bilhões de dólares e, se continuar neste ritmo, vai recolocar o todo o lote.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below