5 de Setembro de 2015 / às 18:23 / 2 anos atrás

G20 quer reformas econômicas mais rápidas já que crédito barato não é suficiente

ANCARA (Reuters) - Líderes financeiros das 20 maiores economias do mundo concordaram, neste sábado, com a aceleração de reformas para melhorar o decepcionantemente baixo crescimento, dizendo que a confiança em taxas de juros muito baixas não será o suficiente para acelerar a expansão econômica.

Mas também disseram que estão confiantes que o crescimento vai acelerar e, como resultado disso, as taxas de juros em "algumas economias avançadas" -código para os Estados Unidos-- teriam que subir.

"As políticas monetárias vão continuar a sustentar a atividade econômica consistentes com os mandatos dos bancos centrais, mas a política monetária sozinha não pode levar a um crescimento equilibrado", apontou o comunicado dos ministros das Finanças e membros de bancos centrais do G20.

"Nós observamos que, em linha com a perspectiva econômica melhor, o aperto de política monetária é mais provável em algumas economias avançadas."

O discurso desafiou a pressão de mercados emergentes para classificar o esperado aumento da taxa de juros dos Estados Unidos como um risco ao crescimento. 

"Ouvimos opiniões diferentes sobre a possível decisão do Fed (banco central norte-americano). Alguns acreditam que o Fed precisa tomar a decisão assim que possível, enquanto outros acreditam que ele deveria esperar um pouco", afirmou o vice-ministro turco Cevdet Yilmaz, em uma entrevista coletiva.

Para limitar a volatilidade da saída de capital de mercados emergentes para ativos em dólar --a causa da preocupação sobre uma futura alta dos juros pelo Federal Reserve-- líderes financeiros do G20 disseram que evitariam qualquer surpresa ou medidas excessivas.

"Vamos calibrar com cuidado e comunicar claramente as nossas ações, especialmente sobre o pano de fundo de grandes decisões monetárias e de outras políticas, para minimizar os efeitos negativos, suavizar as incertezas e promover a transparência", disseram.

Preocupações sobre a turbulência que uma possível alta dos juros pelo Fed poderia causar foram amplificadas pela preocupação dos investidores com a desaceleração econômica da China, a segunda maior economia do mundo.

Autoridades do G20 disseram que houve uma discussão sobre a desvalorização do renminbi (moeda chinesa) pela China em agosto, uma medida que alguns podem ver como um realinhamento às taxas de mercado mais do que uma ajuda às exportações.

"Muitos apoiaram as medidas que a China tomou...os ministros foram muito tolerantes", disse o vice-ministro de finanças da Rússia, Sergei Storchak.

A desvalorização chinesa, assim como a forte queda do mercado de ações devido ao nervosismo com o crescimento, foram parte de um caminho difícil rumo a uma economia mais liberal, disseram as autoridades do G20.

"É uma transformação inacreditavelmente difícil e não é surpreendente que haja solavancos, porque não é um processo totalmente suave e acho que tivemos muitas explicações, oportunidades para fazer perguntas, e foi um diálogo muito franco", disse a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, após a reunião.

Mas nem todos ficaram tão impressionados.

"As explicações não foram muito boas. Eles deveriam ter sido muito mais claros", disse o ministro das Finanças do Japão, Taro Aso.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below