10 de Setembro de 2015 / às 19:44 / 2 anos atrás

Indústria de carnes enfrenta alta do milho apesar de safra recorde no Brasil

SÃO PAULO (Reuters) - Indústrias de frango e suínos, principais compradoras de milho no mercado doméstico brasileiro, estão enfrentando uma alta nas cotações do grão em um momento de grande oferta após colheitas volumosas nos principais Estados produtores, o que eleva os custos com a ração para os animais.

A explicação para a alta dos preços em um momento de oferta abundante está no câmbio e no bom momento das exportações do país. A moeda norte-americana atingiu nesta quinta-feira a maior cotação frente o real desde outubro de 2002, com alta acumulada de cerca de 22 por cento nos últimos três meses.

“Nós esperávamos preços mais baixos para o período... Na comparação com uma projeção de preço normal, hoje os custos de produção estão bem mais altos”, relatou o diretor de compras da cooperativa Aurora, Jacó Ritter, responsável pela originação em uma das maiores produtoras de aves e suínos do Brasil, com consumo de quase 1,4 milhão de toneladas de milho por ano.

Nos últimos três meses, o milho no mercado físico brasileiro acumula alta de 20 por cento, segundo o indicador Esalq/BM&FBovespa.

No mesmo período de 2014, a queda foi de 19,5 por cento e, em 2013, o recuo foi de 5,6 por cento.

A colheita de milho de Mato Grosso, principal produtor do Brasil, foi encerrada há poucos dias. Já no Paraná, segundo produtor nacional, a colheita da safra de inverno alcança 96 por cento da área.

Com a concorrência com a exportação, as indústrias realizam aquisições mais pontuais. Algumas consultorias estimam embarques do país em níveis próximos de recordes.

“São preços altos e muitas indústrias estão encurtando estoques. Quem tem pouca capacidade de estocagem está tendo que se sujeitar ao mercado”, disse o supervisor responsável pela compra de insumos para ração em uma indústria de carne suína do Rio Grande do Sul, falando sob condição de anonimato.

Ainda assim, a situação dos preços não gera preocupação excessiva nas empresas do setor.

“A avicultura está acostumada com esse processo (de volatilidade de preços)”, disse o presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Paraná (Sindiavipar), Domingos Martins.

Ele lembrou também que o Brasil tem “estoques confortáveis” de milho no momento.

Após três safras acima de 80 milhões de toneladas --inclusive um recorde de 84,3 milhões em 2014/15-- o Brasil deverá fechar o atual ano comercial, em 31 de janeiro, com um estoque nunca registrado, de 14,3 milhões de toneladas, segundo projeções da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O volume é suficiente para cerca de três meses de consumo do país.

EXPORTAÇÕES DE CARNES

O milho mais caro eleva custos, mas não necessariamente elimina as margens da indústria, especialmente as que exportam carne de frango e de suínos.

“As empresas estão exportando numa quantidade representativa... E está se reajustando também o preço do produto no mercado interno”, destacou o presidente do Sindiavipar.

Com embarques recordes, mas queda no faturamento em dólar pelo preço mais baixo na exportação, é o câmbio que tem salvado a receita das indústrias.

O resultado das exportações de frango do Brasil em reais subiu 18 por cento no primeiro semestre de 2015, na comparação com o mesmo período de 2014, segundo a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

ESTÍMULO PARA PLANTIO

Na avaliação do presidente da ABPA, Francisco Turra, o atual preço elevado do milho tem um efeito colateral bastante positivo: incentiva o plantio e ajuda a garantir fornecimento no médio prazo.

“Se o preço for baixo, muita gente se desestimula e vai para a soja”, disse o executivo.

Numa granja de suínos, por exemplo, 75 por cento da ração é composta por milho, o que demonstra porque este grão é o mais relevante e observado pelas empresas do setor.

A expectativa é de que os preços atuais elevados tenham um efeito duradouro e motivem o plantio da safra de inverno de 2016, que ocorrerá no primeiro semestre. No plantio mais imediato, no verão 2015/16, o milho deverá novamente perder espaço para a soja, que é mais rentável.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below