18 de Setembro de 2015 / às 20:20 / em 2 anos

Dólar fecha perto de R$3,96, segundo maior nível histórico, com temor político e econômico

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar saltou cerca de 2 por cento e fechou próximo a 3,96 reais nesta sexta-feira, segundo maior nível de fechamento na história, pressionado por rumores e especulações sobre mais um rebaixamento do Brasil, em meio ao cenário de deterioração das contas públicas e instabilidade política.

04/08/2003

O dólar avançou 1,96 por cento, a 3,9582 reais na venda, maior nível desde 10 de outubro de 2002, quando a moeda norte-americana encerrou na máxima histórica de 3,990 reais.

A divisa dos EUA chegou a subir 2,07 por cento na máxima dessa sessão, a 3,9627 reais. Na semana, avançou 2,09 por cento, quinta semana consecutiva de alta, acumulando avanço de 13,64 por cento no período.

“Está havendo boato a torto e a direito e o mais forte diz respeito a um rebaixamento do Brasil pela Moody‘s”, disse o operador da corretora de um banco nacional, sob condição de anonimato. “E não ajuda o fato de ser fim de semana. Ninguém quer ficar exposto se tem chance de a situação azedar”.

Quatro profissionais do mercado relataram à Reuters os rumores sobre a agência de classificação de risco Moody‘s, mas todos mostraram ceticismo sobre essa possibilidade.

O eventual rebaixamento significaria a perda do selo de bom pagador do Brasil por duas agências, o que provocaria intensa fuga de capitais. Na semana passada, a Standard & Poor’s rebaixou o Brasil para “BB+”, grau especulativo.

O último movimento da Moody’s também foi recente. No dia 11 de agosto, rebaixou o rating brasileiro para “Baa3”, última nota dentro da faixa considerada como grau de investimento, mas alterou a perspectiva da nota para “estável” ante “negativa”, sinalizando que o selo de bom pagador do país deveria ser mantido no curto prazo.

Na terça-feira, a Moody’s classificou as medidas fiscais anunciadas pelo governo brasileiro na véspera como “desenvolvimento positivo” e mais equilibradas do que as propostas anteriores, que lidavam basicamente com medidas do lado da receita.

O pacote de medidas anunciado pelo governo nesta semana foi mais uma tentativa de colocar as contas públicas do país em ordem. No entanto, o mercado vem demonstrando ceticismo sobre a aprovação dessas ações, com foco no retorno da CPMF, no Congresso.

“A situação no Brasil está muito complicada, então sempre que vê algum espaço, o mercado compra (dólares)”, disse o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

Operadores esperam que o dólar continue em trajetória de alta, superando em breve 4 reais e atingindo níveis nunca vistos antes. “O dólar vai deixar para trás os 4 reais voando, sem olhar duas vezes”, disse o especialista em câmbio da corretora Icap, Italo Abucater.

Com isso, operadores deixaram em segundo plano a manutenção dos juros nos Estados Unidos, que tende a sustentar a atratividade de papéis de mercados emergentes. Analistas lembravam também que o quadro global difícil, uma das justificativas do Federal Reserve, banco central norte-americano, para não mudar a taxa, tende a afetar negativamente o humor em relação a países como o Brasil.

Nesta manhã, o Banco Central brasileiro deu continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em outubro, vendendo a oferta total de até 9,45 mil contratos, equivalentes a venda futura de dólares. Ao todo, já rolou o equivalente a 5,860 bilhões de dólares, ou cerca de 62 por cento do lote total, que corresponde a 9,458 bilhões de dólares.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below