14 de Outubro de 2015 / às 20:09 / 2 anos atrás

Levy defende ajuste fiscal na Câmara dos Deputados; oposição não quer mais impostos

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defendeu nesta quarta-feira a necessidade do ajuste fiscal durante sessão plenária da Câmara dos Deputados, em meio à troca de farpas pelos parlamentares sobre o aumento da carga tributária e eventual impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Durante sua apresentação inicial, Levy disse que a volta do crescimento econômico depende da segurança no reequilíbrio das contas públicas. Ele também ressaltou a importância de o Orçamento de 2016 trazer superávit primário --economia feita para pagamento de juros da dívida pública.

"Tenho certeza que o sucesso da proposta orçamentária para 2016 é o que vai permitir Brasil voltar a crescer", afirmou.

No fim de agosto, o governo enviou ao Congresso proposta orçamentária para o próximo ano prevendo inédito déficit primário, movimento que desembocou na perda pelo país do grau de investimento pela agência de classificação de risco Standard & Poor's, injetando volatilidade nos mercados.

Mesmo assim, o governo tem defendido que buscará a meta de superávit primário equivalente a 0,7 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, com a ajuda de novas medidas de ajuste, incluindo a recriação da polêmica contribuição sobre movimentações financeiras, a CPMF.

O governo enfrenta enorme embate político com o Congresso, com os holofotes sobre eventual processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff deixando em segundo plano votações importantes para o ajuste fiscal, como a repatriação de recursos no exterior e a própria CPMF.

"Se a presidente Dilma não cair agora, ela vai cair em março", afirmou o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao afirmar que Levy deveria priorizar a reforma da Previdência à volta da CPMF.

O líder do governo na Casa, deputado José Guimarães (PT-CE), disse que Dilma "nem vai cair agora e muito menos em março", defendendo, por sua vez, a recriação da CPMF vinculada à seguridade social, com receitas repartidas entre União, Estados e municípios.

Respondendo a questionamentos dos parlamentares, Levy afirmou que "se a gente não tiver a CPMF, tem um certo risco de alguns programas importantes, como seguro desemprego, ficarem desprotegidos".

Enquanto isso, parlamentares da oposição se revezavam no Plenário na exibição de uma placa com a inscrição "Xô CPMF".

Diante do cenário de indefinições e economia em recessão, o cumprimento da meta de superávit primário de 8,7 bilhões de reais neste ano, ou 0,15 por cento do PIB, não deve ocorrer. Nos 12 meses encerrados em agosto, o setor público consolidado tinha déficit primário de 0,76 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below