9 de Novembro de 2015 / às 18:19 / 2 anos atrás

Estudo da EY prevê barril do petróleo acima dos US$60 em 2016

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os preços do barril de petróleo Brent devem ter uma pequena recuperação e atingir média de 63,01 dólares por barril em 2016, ante média estimada de 56,25 dólares neste ano, devido a um crescimento da demanda pela commodity no mundo, apontou estudo trimestral da consultoria Ernst & Young (EY).

Para 2017, segundo afirmou à Reuters o sócio de tributação do Centro de Energia e Recursos Naturais da EY, Marcio Oliveira, os preços devem subir ainda mais e atingir 70,65 dólares.

O levantamento da consultoria foi feito com base em estimativas de mercado, incluindo Wells Fargo Securities, UBS e Credit Suisse, GLJ Petroleum Consultants, dentre outros.

“O que a gente verifica é que há uma pequena tendência de melhoria do preço, ainda não é tendência muito forte, mas já mostra um movimento de crescimento”, afirmou Oliveira.

Estimativas da Agência Internacional de Energia (EIA, na sigla em inglês), destacou Oliveira, preveem que a demanda por petróleo em 2016 deverá crescer 1,4 por cento ante o ano anterior, mesmo percentual de alta previsto para 2015 ante 2014.

O executivo minimizou ainda os efeitos do menor crescimento da economia da China, maior consumidor global de energia, destacando que o país permanecerá crescendo em níveis altos.

As sondas de perfuração de poços exploratórios em operação nos Estados Unidos também têm apresentado queda, destacou o estudo. O número de equipamentos é um indicativo para o mercado de que a produção futura do país poderá apresentar uma queda.

Segundo o estudo, entretanto, o fornecimento de petróleo dos membros e não membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) permanece forte, aumentando estoques globais e mantendo a pressão nos preços do barril no próximo ano.

Estimativas da EY apontam ainda que há 40 por cento de chances que a cotação do barril no mercado à vista ultrapasse 55 dólares no terceiro trimestre de 2016. Já a probabilidade de que ultrapasse 65 dólares no mesmo período é de 25 por cento.

Para sobreviver em meio aos baixos preços da commodity, Oliveira destacou que as petroleiras de todo o mundo, incluindo a Petrobras, estão buscando renegociar os valores de contratos com os fornecedores para reduzir custos.

MERCADO BRASILEIRO

No Brasil, o preço depreciado do barril de petróleo não é o único problema que impacta a indústria, destacou Oliveira. A crise financeira e política do país e a crise institucional pela qual passa a Petrobras têm impactado de forma relevante o setor de óleo e gás no Brasil.

“Esses três fatores, sem sombra de dúvida, dificultam o funcionamento da indústria, mas acredito que se o preço do óleo tiver uma elevação no mercado internacional, a indústria (no Brasil) vai conseguir se recuperar”, afirmou Oliveira.

Isso porque a indústria de petróleo, segundo Oliveira, é de longo prazo e tem planejamentos que já consideram possíveis crises políticas e econômicas ao longo do tempo.

Ele destacou ainda que a Petrobras tem um potencial e um portfólio bastante importante e deverá se recuperar. Em contrapartida, Oliveira ponderou que o país precisa realizar ajustes regulatórios para se tornar mais atrativo.

“A estrutura de concessão e partilha aqui no Brasil precisa realmente ser aperfeiçoada”, afirmou Oliveira, frisando uma crítica muito comum da indústria sobre a obrigatoriedade da Petrobras ser a operadora única do pré-sal.

“Se a Petrobras tivesse a capacidade de investimento necessária para atuar em todos os blocos, talvez funcionasse. Mas o fato é que hoje, considerando o cenário, a Petrobras não tem o fôlego financeiro necessário”, disse.

Segundo Oliveira, uma flexibilização das regras de exploração das áreas do pré-sal seria bem vista pelo mercado e permitiria uma entrada mais forte de investidores externos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below