10 de Novembro de 2015 / às 23:19 / 2 anos atrás

Aumenta pressão sobre a Vale diante de tragédia em Minas Gerais

Placa rodoviária indica direção para barragens da Samarco, de propriedade da Vale e da BHP Billiton, em Mariana (MG) 10/11/2015. REUTERS/Ricardo Moraes

MARIANA, Minas Gerais (Reuters) - Com o desespero inicial causado pelo rompimento de duas barragens da mineradora Samarco em Minas Gerais se transformando em raiva, parlamentares brasileiros cobraram nesta terça-feira regras mais duras no novo código de mineração e a gigante Vale começou a sofrer maior pressão para ajudar as famílias afetadas e conter o impacto ambiental.

Em cinco dias de esforços para encontrar desaparecidos, seis mortos foram encontrados, dos quais quatro identificados, e 21 vítimas permanecem desaparecidas, em um dos piores desastres da indústria de mineração da história do Brasil.

A tragédia desencadeou investigações do Ministério Público e estimulou cobranças por regras mais rigorosas para a indústria de mineração, um grande gerador de empregos e receitas para o setor público.

O relator do novo Código da Mineração, deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG), afirmou à Reuters na terça-feira que planeja adicionar medidas para tornar a regulação mais rigorosa sobre barragens de rejeitos da atividade.

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, reconheceu que as regras estaduais de mineração não são suficientes e seus assessores disseram que devem repensar seus esforços para acelerar os licenciamentos.

A crítica pública caiu em primeiro lugar sobre a operadora Samarco, mas o centro das atenções voltou-se para os grandes nomes por trás da joint venture, detida pela australiana BHP Billiton, a maior empresa de mineração do mundo, e a Vale, a maior produtora mundial de minério de ferro.

“A Samarco é um nome fantasia, nós precisamos da BHP e da Vale para assumir responsabilidades por essa tragédia”, disse Duarte Júnior, prefeito da cidade de Mariana.

FORTE CONTRASTE

A resposta pública da BHP tem sido rápida, mas a Vale até agora parecia distante.

O presidente-executivo da BHP, Andrew Mackenzie, realizou uma coletiva nas primeiras horas após o desastre e a empresa anunciou que ele viajará ao Brasil para averiguar os danos. A empresa também publicou atualizações quase que diárias sobre a tragédia, em inglês e português, na parte superior de seu site.

Em contrapartida, a Vale divulgou um comunicado de cinco parágrafos cerca de 24 horas após o desmoronamento das barragens, quando informou que a Samarco iria concentrar as informações sobre o desastre.

O presidente da Vale, Murilo Ferreira, fez uma visita não anunciada a Mariana no sábado, que foi revelada pela empresa apenas dois dias depois.

O prefeito de Mariana tem trabalhado muito próximo a representantes da Samarco, mas ele frisou nesta terça-feira que as donas da Samarco precisam estar presentes na cidade.

Após diversas cobranças por parte da imprensa e de autoridades locais, a Vale soltou um extenso texto no fim da tarde desta terça-feira detalhando cada uma das medidas tomadas pela empresa desde o rompimento das barragens, incluindo máquinas utilizadas e número de trabalhadores envolvidos.

A mineradora também explicou que após o rompimento da barragem de Fundão, a Vale realizou, no último fim de semana, uma verificação detalhada das condições estruturais de 115 das barragens mais relevantes da empresa e que nenhuma alteração foi detectada. Nos próximos dias, estarão concluídas as inspeções de todas as barragens da Vale, afirmou a mineradora no texto.

A Vale também informou por meio de sua assessoria de imprensa que Murilo Ferreira visitará Mariana na quarta-feira, juntamente com o presidente da BHP. Ainda não há informações sobre o itinerário e se os executivos vão falar com jornalistas.

“Evidentemente, jamais poderemos voltar ao passado e recuperar as vidas perdidas neste triste episódio, mas não vamos medir esforços para ajudar a reconstruir a história de cada uma das pessoas afetadas, assim como recuperar o meio ambiente”, afirmou o presidente da Vale, Murilo Ferreira, no texto.

Os biólogos alertam que o impacto ambiental pode ser permanente, matando peixes e devastando fazendas.

O turismo e outros setores já estão sofrendo. A fabricante de celulose Cenibra suspendeu as operações em duas linhas de produção devido à lama, que ameaçou sua fonte de captação de água.

A presidente Dilma Rousseff não viajou para a área do desastre, embora tenha afirmado em um discurso na terça-feira que o governo está “extremamente preocupado” com a lama e rejeitos das barragens que estão descendo o Rio Doce em direção ao Espírito Santo, colocando em risco o abastecimento de água da região.

Reportagem adicional de Leonardo Goy em Brasília e Priscila Jordão em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below