10 de Março de 2016 / às 13:07 / um ano atrás

Com perdas em alimentos e móveis e eletrodomésticos, varejo inicia ano com queda de 1,5%

Mulher observa maquina de lavar em loja de São Paulo. 18/02/2013Nacho Doce

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - As fortes quedas em móveis e eletrodomésticos, alimentos e combustíveis pressionaram as vendas no varejo brasileiro em janeiro e o setor iniciou o ano sem dar sinais de recuperação em breve diante das perdas de emprego e da inflação alta que assolam o país.

No primeiro mês do ano, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira, as vendas varejistas caíram 1,5 por cento sobre dezembro, no segundo pior resultado para o mês na série iniciada em 2001.

Sobre o mesmo mês do ano anterior, as vendas despencaram 10,3 por cento, maior queda desde março de 2003 (-11,4 por cento), depois de terem encerrado 2015 com a maior queda histórica.

"O volume de vendas na entrada de 2016 mostra uma aceleração no ritmo de queda das vendas, que é quase generalizada e reflete toda a conjuntura econômica", destacou a economista do IBGE Isabella Nunes.

Os resultados foram piores do que as expectativas em pesquisa da Reuters, de recuo de 0,6 por cento na comparação mensal e de 8,35 por cento sobre um ano antes.

As mesmas pressões que afetaram o setor varejista ao longo do ano passado persistem em 2016, impossibilitando a visualização de qualquer sinal de estabilidade em breve --a forte recessão econômica exacerbada pela fraqueza da confiança em meio às perdas de emprego e renda, juros e inflação elevados.

Foram exatamente esses fatores que levaram o consumo das famílias a recuar 4,0 por cento em 2015, contribuindo para o Produto Interno Bruto (PIB) encolher 3,8 por cento.

O IBGE apontou que a maior queda nas vendas varejistas em janeiro aconteceu em Móveis e eletrodomésticos, de 4,3 por cento.

Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, setor com maior peso na estrutura do comércio varejista, registrou perdas de 0,9 por cento. Já as vendas de combustíveis e lubrificantes caíram 3,1 por cento sobre dezembro.

"A perda das vendas de hipermercados tem a ver com a renda real mais fraca. Há ainda uma evolução de preços de alimentos acima da inflação e os consumidores estão tendo que se ajustar a essa realidade com produtos alternativos e mais acessíveis", explicou Isabella, do IBGE.

Por sua vez, o volume de vendas no varejo ampliado --que inclui veículos e material de construção-- apresentou recuo de 1,6 por cento, com queda de 6,6 por cento nas vendas de material de construção.

A pesquisa Focus do Banco Central continua apontando que a inflação medida pelo IPCA encerrará este ano bem acima dos limites definidos pelo governo, a 7,59 por cento, com a economia registrando contração de 3,50 por cento.

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below