27 de Abril de 2016 / às 21:02 / um ano atrás

Bovespa sobe 2,6% e fecha na máxima em quase 1 ano com bancos e expectativas políticas

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa avançou para a máxima em quase um ano nesta quarta-feira, fechando acima dos 54 mil pontos, conduzido pelas ações de bancos após resultado trimestral do Santander Brasil e em meio a expectativas sobe a cena política.

Ações relacionadas a commodities também deram suporte ao pregão brasileiro, particularmente após o Federal Reserve demonstrar confiança na economia norte-americana, mas sem sinalizar alta dos juros dos Estados Unidos já no mês de junho.

O Ibovespa subiu 2,63 por cento, a 54.477 pontos. Trata-se do maior patamar de fechamento desde 25 de maio de 2015.

O volume financeiro somou 8,3 bilhões de reais

Da cena política, conforme o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff caminha no Senado e muitos agentes financeiros veem o afastamento dela como o “caminho natural”, crescem as especulações sobre uma nova equipe econômica.

O ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, que agrada o mercado, vem aparecendo entre os mais cotados para ocupar o Ministério da Fazenda em um eventual governo do vice-presidente Michel Temer, caso o Senado afaste Dilma por 180 dias.

Corroboraram as expectativas positivas declarações do presidente interino do PMDB, senador Romero Jucá (RR), de que o reequilíbrio das contas públicas e a restauração da confiança serão prioritários em um governo Temer e que a elevação dos impostos ainda não está em questão.

Do exterior, o banco central dos EUA endossou o avanço local ao não sinalizar uma alta iminente do juro norte-americano. As commodities ampliaram os ganhos após o comunicado do Fed, com o petróleo renovando máximas em 2016.

DESTAQUES

- SANTANDER BRASIL subiu 2,36 por cento, após mostrar lucro praticamente estável, mas queda nas despesas com provisões para calotes, impulsionando o setor como um todo. BRADESCO fechou com acréscimo de 3,52 por cento, ITAÚ UNIBANCO avançou 3,42 por cento e BANCO DO BRASIL ganhou 2,53 por cento, com perspectivas relacionadas ao cenário político também amparando os papéis.

- PETROBRAS fechou com as preferenciais em alta de 6 por cento, acima de 10 reais, na máxima desde agosto de 2015, conforme os preços do petróleo retomaram o fôlego, renovando máximas de 2016. Os papéis também seguem contagiados pelo ambiente político.

- VALE encerrou com as preferenciais em alta de 3,11 por cento, na esteira do avanço das commodities como um todo e revertendo o declínio da manhã, quando seguiu o recuo dos preços do minério de ferro. A mineradora está planejando reiniciar seu projeto de potássio Rio Colorado, na Argentina, mas com capacidade prevista menor do que o objetivo inicial.

- USIMINAS saltou 7,5 por cento, liderando os ganhos das siderúrgicas e do Ibovespa. Nesta sessão o plenário do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a indicação pela CSN de membros para o Conselho de Administração da empresa. A CSN também está questionando na Justiça contratos entre Usiminas e uma de suas controladoras, a Nippon Steel.

- SUZANO PAPEL E CELULOSE avançou 3,92 por cento, com o balanço do primeiro trimestre repercutindo positivamente entre analistas, que destacaram volumes fortes.

- HYPERMARCAS fechou com acréscimo de 2,09 por cento, após salto no lucro para 1 bilhão de reais no primeiro trimestre, em resultado influenciado pela conclusão da venda do braço de cosméticos para a Coty. O Itaú BBA disse que o mercado continua a esperar potencial operação de fusão e aquisição envolvendo a companhia.

- FIBRIA caiu 1,72 por cento, diante de resultado trimestral considerado fraco por analistas, com queda nos volumes e custos um pouco maiores. A fabricante de celulose vê tendência de recuperação dos preços na China, mas ponderou que o momento é incerto.

- ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES caiu 2,88 por cento, liderando as perdas no Ibovespa e na contramão do setor de educação, tendo no radar relatório do Morgan Stanley de teria encontrado indicações de que a companhia pode estar registrando parte dos descontos oferecidos a estudantes como despesas com marketing, o que significa que a mensalidade efetiva comparada com seus pares poderia ser na verdade 5 a 10 por cento menor do que o reportado. KROTON subiu 2,27 por cento, tendo ainda no radar flexibilização das regras do Fies.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below