1 de Junho de 2016 / às 13:02 / um ano atrás

Indústria corta emprego com força em maio diante de piora da contração, aponta PMI

SÃO PAULO (Reuters) - A recessão econômica continuou pesando sobre o setor industrial brasileiro em maio e os trabalhadores foram novamente afetados com força pelos cortes de custos diante da queda na entrada de novos pedidos, apontou o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgado nesta quarta-feira.

O Markit informou que o PMI da indústria do Brasil recuou a 41,6 em maio sobre 42,6 em abril, taxa de contração mais forte em pouco mais de sete anos e 16º mês seguido abaixo da marca de 50 que separa contração de expansão.

As empresas voltaram a demitir funcionários em maio a um ritmo mais acelerado do que no mês anterior, com a taxa de corte chegando assim a um novo recorde para a pesquisa.

"As crises econômica e política que o Brasil tem enfrentado continuam a afetar a demanda e as empresas não têm tido outra opção a não ser dispensar funcionários como parte dos esforços para continuar vivas", avaliou a economista do Markit Pollyanna De Lima.

Os cortes foram registradas em todas as três subcategorias monitoradas, mas a redução mais forte foi apresentada na de bens de investimentos.

Esse cenário é reflexo da redução da entrada de novos negócios e da produção pelo ritmo mais forte desde março de 2009, como reflexo da demanda contida frente à crise econômica e à deterioração da confiança dos investidores.

O volume de novos negócios do exterior até cresceu em maio favorecido pelo dólar fortalecido em relação ao real, mas o ritmo foi o mais fraco na atual sequência de seis meses de expansão.

Mas a moeda norte-americana forte também levou à alta nos preços pago pela matéria-prima importada, e a taxa de inflação de insumos atingiu máxima de quase 8 anos.

Entretanto, as pressões competitivas limitaram a capacidade das empresas de repassar esses custos aos clientes, e a inflação dos preços cobrados desacelerou em maio para o nível mais fraco em 10 meses.

Enquanto os produtos de bens de consumo e de investimento tiveram seus preços elevados, os de bens intermediários registraram descontos.

Apesar disso, pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostra que as expectativas do setor melhoraram em maio, e o seu Índice de Confiança da Indústria (ICI) do Brasil atingiu o nível mais alto desde março de 2015.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below