15 de Junho de 2016 / às 23:04 / em um ano

Samarco já não tem expectativa de operar no país em 2016, diz executivo

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A mineradora Samarco não tem mais expectativa de voltar a operar neste ano no Brasil, por não ter clareza sobre quando conseguirá as licenças necessárias para retomar as atividades, disse nesta quarta-feira o gerente-geral de Recursos Humanos da companhia, Benedito Waldson, em entrevista à Reuters.

A volta da mineradora é fundamental para a joint venture da Vale e da BHP Billiton pagar indenizações bilionárias acertadas com o governo federal, após o rompimento da barragem da Samarco em Mariana (MG), em novembro último.

A empresa tinha a expectativa de retomar suas operações, com cerca de 60 por cento da capacidade até o fim deste ano, com capacidade limitada de produção de 19 milhões de toneladas de pelotas de minério de ferro por ano, ante as cerca de 30 milhões de toneladas anuais antes do acidente em Mariana.

Para voltar a funcionar, a empresa depende de autorizações do órgão ambiental de Minas Gerais (Semad) e do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

O retorno às operações, frisou Waldson, também é importante para a manutenção dos empregados da mineradora.

Devido à necessidade de adequar a força de trabalho à nova realidade da empresa, a Samarco apresentou aos sindicatos nesta quarta-feira uma proposta final para o Programa de Demissões Voluntárias (PDV) que será oferecido aos cerca de 3 mil empregados da empresa, em Minas Gerais e no Espírito Santo.

“A gente espera desligar em torno de 1.200 (funcionários), vamos ficar com 1.800 funcionários aguardando uma definição sobre a retomada da empresa, das operações, o que está ficando cada vez mais distante, nós já não temos mais expectativa de que isso ocorra em 2016”, afirmou Waldson.

Os empregados da Samarco poderão aderir ao PDV entre os dias 27 de junho e 29 de julho deste ano.

Waldson explicou que os níveis gerenciais, com exceção de chefe de equipe, não poderão aderir ao PDV. Nesse caso, a Samarco irá escolher quem deverá deixar os quadros da empresa e os funcionários demitidos terão os mesmos benefícios do PDV.

Dentre as propostas do PDV, estão incentivos financeiros e extensão de saúde suplementar oferecida pela companhia.

Segundo Waldson, a companhia tem feito o possível para preservar empregos, já tendo adotado férias coletivas, licença remunerada e dois períodos de suspensão temporária do contrato de trabalho.

O colapso da barragem da Samarco foi considerado o maior desastre ambiental da história do país, deixou 19 mortos, centenas de desabrigados e poluiu o rio Doce, que deságua no mar do Espírito Santo.

Por Marta Nogueira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below