5 de Julho de 2016 / às 17:26 / em um ano

Instabilidade política e financeira na Itália ameaça gerar novo caos para a Europa

ROMA (Reuters) - As ações de bancos da Itália afundaram nesta terça-feira, sacudindo as bases financeiras da terceira maior economia da zona do euro e ameaçando contagiar outras nações da União Europeia.

A crise pode empurrar a Itália de volta à recessão e, em um cenário apocalíptico, gerar um tipo de colapso similar ao da Grécia que seria quase impossível a Europa conter.

Os bancos da Itália estão sufocados com uma pilha de empréstimos ruins e, elevando o crescente sentimento de instabilidade, o primeiro-ministro Matteo Renzi prometeu demitir-se caso saia derrotado de um referendo em outubro sobre a reforma constitucional.

Pesquisas de opinião recentes dizem que ele deve perder por grande margem.

“A Itália enfrenta uma grave crise que é exponencial. Isso não é gradual e não linear”, disse Francesco Galietti, chefe da consultoria de risco Policy Sonar e ex-funcionário do Ministério das Finanças. “A causa imediata é a crise bancária.”

O índice acionário do setor bancário da Itália caiu 30 por cento desde que o Reino Unido votou em 23 de junho para sair da União Europeia, elevando as perdas acumuladas no ano a 57 por cento. O índice de ações do setor bancário da zona do euro caiu 22 por cento e 37 por cento, respectivamente.

Na terça-feira, o índice italiano perdeu mais 1,44 por cento, para próximo dos patamares mais baixos em três anos.

A Itália é política e financeiramente frágil, muitas vezes descrito como “grandes demais para salvar” em uma crise, e mesmo tendo pouca ligação econômica direta entre seus bancos e a votação britânica, qualquer choque mundial cria grandes tremores no país.

“A Itália é, essencialmente, a linha falha da Europa”, disse um ex-funcionário do FMI, falando sob condição de anonimato.

“Tanto a dívida pública e o setor bancário são um barril de pólvora, sendo mantidos por um processo de não reconhecimento de prejuízos acumulados no sistema que eles continuam rolando. O verdadeiro problema é que alguém tem de assumir as perdas eventualmente”, acrescentou.

As preocupações imediatas estão centradas no terceiro maior banco da Itália, o Monte dei Paschi di Siena, que tem a maior proporção de créditos ruins em carteira entre bancos italianos listados. O Banco Central Europeu (BCE) determinou que o banco reduza essas dívidas em 40 por cento em três anos.

Roma está em negociações com Bruxelas para elaborar um plano para recapitalizar seus bancos, incluindo o Monte dei Paschi, na esperança de usar dinheiro público para evitar perdas potencialmente enormes para os detentores de bônus e ações, muitos deles pequenos investidores comuns.

Tal acordo pode exigir uma flexibilização das regras antirresgate que a União Europeia adotou em 2014 para forçar os investidores e alguns depositantes compartilharem o peso das falências bancárias. A Alemanha diz que as regras devem ser respeitadas, mas a Itália afirma que a flexibilidade é necessária para evitar um possível contágio bancário decorrente da decisão britânica.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below