11 de Agosto de 2016 / às 18:57 / um ano atrás

Rumo Logística espera desembolsos de nova linha do BNDES ainda neste ano

SÃO PAULO (Reuters) - A Rumo Logística teve recentemente sinalizações de que o processo de enquadramento para obtenção de novo financiamento junto ao BNDES deve seguir para aprovação nas próximas semanas e que deve levar de dois a três meses para ser formalizado.

Na avaliação do vice-presidente financeiro da empresa, José Cezário Sobrinho, "com um pouco de sorte", a Rumo deve ter novidades a respeito do financiamento ainda neste trimestre e desembolsos acontecendo ainda neste ano.

A conclusão de processo de capitalização em abril possibilitou à Rumo a reestruturação de dívidas com bancos, bem como o comprometimento do BNDES com aprovação de 2,8 bilhões de reais adicionais para a empresa. Os recursos serão dedicados à execução do plano de investimentos da transportadora logística.

Sobre linhas antigas com o BNDES, a companhia disse que teve algumas frustrações nas liberações previstas, mas espera normalização no terceiro trimestre. O atraso na nova linha pleiteada foi gerado pelas mudanças no governo federal e na alta administração do BNDES.

QUEBRA DE SAFRA DE MILHO

Em seu balanço do segundo trimestre, divulgado na noite de quarta-feira, a transportadora ferroviária previu para o segundo semestre queda de aproximadamente 13 por cento na produção da segunda safra de milho. Isso deve prejudicar os volumes transportados destinados para a exportação.

Nesta quinta-feira, executivos da Rumo afirmaram que o maior impacto nos volumes está previsto para novembro e dezembro. Os volumes no terceiro trimestre devem ficar em linha ou um pouco acima do programado, e outubro deve ser um mês praticamente normal, disse o presidente da Rumo, Julio Fontana Neto.

Em novembro e dezembro, diante da provável frustração nos volumes transportados com clientes, a empresa contará com o pagamento na modalidade "take or pay". Apesar dessa hipótese ser pior para a companhia, a Rumo está buscando melhorias operacionais e redução de custos para compensar, tendo mantido assim sua meta de Ebitda em 2016 entre 2,3 bilhões e 2,5 bilhões de reais.

A expectativa também é de alcançar a meta com execução dos novos contratos, uso da capacidade disponível para atender o mercado interno e transporte de mais açúcar.

As ações da empresa subiam cerca de 9 por cento às 15:52, enquanto o Ibovespa tinha valorização de 2,26 por cento.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below