26 de Agosto de 2016 / às 20:12 / em um ano

Dólar sobe mais de 1% em dia volátil, com aposta em alta de juros nos EUA

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar teve uma sessão de forte volatilidade e terminou com alta de mais de 1 por cento frente ao real nesta sexta-feira, após declarações do vice do Federal Reserve, Stanley Fischer, recolocarem sobre a mesa a possibilidade de o banco central norte-americano elevar os juros em setembro.

Foto de arquivo mostra cliente contando notas de dólar em banco no Cairo, Egito 10/03/2016 E REUTERS/Amr Abdallah Dalsh/File Photo

Os comentários de Fischer ofuscaram o discurso da chair do Fed, Janet Yellen, que evitou sinalizar um aumento iminente na taxa e chegou a levar a moeda norte-americana a cair mais de 1 por cento nesta sessão.

O dólar avançou 1,25 por cento, a 3,2719 reais na venda, após chegar a 3,2787 reais na máxima da sessão e 3,1898 reais na mínima. Na semana, a moeda norte-americana acumulou alta de 2,02 por cento frente ao real. O dólar futuro subia por volta de 1 por cento no fim da tarde.

“Parece que o Fischer veio a público corrigir a interpretação do mercado sobre a Yellen”, resumiu o operador de um banco internacional.

Ele referia-se ao vice-chair do banco central norte-americano, Stanley Fischer, que afirmou que as declarações dadas mais cedo pela chair do Fed, Janet Yellen, eram “consistentes” com a possibilidade de aumento de juros em setembro. Mesmo assim, ele acrescentou, é preciso esperar mais dados econômicos.

As declarações levaram o dólar a abandonar as perdas vistas pela manhã, quando investidores interpretaram que Yellen havia dado sinais de que os juros não subiriam tão cedo na maior economia do mundo. O Fed se reúne, neste ano, em setembro, novembro e dezembro.

Após os comentários de Fischer, os juros futuros norte-americanos passaram a indicar chance de 30 por cento de aumento de juros em setembro, de acordo com a ferramenta FedWatch da CME Group.

Juros mais altos nos EUA podem atrair para lá recursos aplicados em mercados emergentes, como o Brasil.

“A mensagem de que os juros podem subir neste ano não é nova, já vinha das últimas semanas. O que é novo é que, pelo jeito, Yellen está mais próxima daqueles que querem um aumento no fim do ano do que daqueles que querem um aumento agora”, havia afirmado mais cedo o operador da corretora B&T Marcos Trabbold.

No cenário local, investidores seguiram atentos ao julgamento do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Espera-se que o Senado confirme o afastamento em voto final na madrugada de quarta-feira.

Nesta manhã, o Banco Central brasileiro vendeu a oferta total de até 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares.

Por Bruno Federowski

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below