8 de Setembro de 2016 / às 20:57 / em um ano

Petrobras tem milhares de litros de combustíveis furtados de dutos no RJ, diz polícia

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga um esquema ilegal de desvio de combustíveis de dutos da Petrobras em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, operado por traficantes de drogas e milicianos, a partir do qual teria sido possível desviar milhares de litros por meio de “bicas” instaladas na malha.

O logo da empresa estatal de petróleo Petrobras é fotografado em tanque em Cubatão, no Brasil 12/04/2016 REUTERS/Paulo Whitaker

Foi encontrada uma bica com capacidade para furtar até 20 mil litros de combustível por hora, a cerca de 10 quilômetros da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), da petroleira, segundo as investigações. Os produtos desviados, segundo a polícia, eram revendidos no mercado. Pela vazão identificada, seria possível encher um caminhão tanque em cerca de uma hora.

A subsidiária de transporte e logística de combustíveis da Petrobras, Transpetro, afirmou em nota que, junto com sua controladora, colaborou com as investigações que resultaram na operação policial desta quinta-feira.

Além disso, a companhia afirmou que, nesta quinta-feira, foi encontrada na estrutura do oleoduto Orbel II, que liga Rio de Janeiro a Belo Horizonte, uma instalação para o furto de combustível. Mas a empresa disse que não houve vazamento e que o duto opera normalmente.

A empresa não entrou em detalhes sobre os volumes de combustíveis que poderiam ter sido furtados.

O delegado da Polícia Civil Giniton Lages afirmou a jornalistas que o esquema de furto de combustíveis foi descoberto a partir de uma investigação sobre homicídios.

“Estávamos investigando mortes de pré-candidatos na Baixada e encontramos um outro crime. Já estamos investigando e contando com a colaboração da Petrobras”, disse Lages. Ninguém foi preso até o momento.

A quadrilha que operava o esquema era formada, segundo Lages, por traficantes e milicianos, que teriam entrado em conflito provocando a morte de ao menos três pessoas, dentre elas dois pré-candidatos para as eleições municipais deste ano.

No Rio de Janeiro, milicianos são paramilitares que exploram ilegalmente alguns serviços, como fornecimento de botijão de gás e TV a cabo, em regiões mais pobres.

A investigação teve início após a ocorrência de mais de 10 homicídios na Baixada Fluminense. Inicialmente havia a suspeita de que todas as mortes tinham ligação com política.

“Pelo menos em três casos (de mortes) já podemos dizer que não teve motivação política”, frisou o diretor da divisão de homicídios da Polícia Civil, Rivaldo Barbosa.

Por Rodrigo Viga Gaier; Reportagem adicional de Marta Nogueira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below