18 de Maio de 2017 / às 20:22 / em 7 meses

Dólar tem maior alta desde 1999, a 8,15%, e encosta em R$3,40 após denúncias contra Temer

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar encerrou esta quinta-feira com a maior alta em mais de 18 anos, acima de 8 por cento e aproximando-se do patamar de 3,40 reais, depois de denúncias envolvendo o presidente Michel Temer que alimentaram percepções de que as reformas serão afetadas e, consequentemente, a recuperação da economia.

Notas de dólares dos Estados Unidos 26/03/2015 REUTERS/Gary Cameron/File Photo

O dólar avançou 8,15 por cento, a 3,3890 reais na venda, maior alta desde o início de 1999, quando houve a maxidesvalorização do câmbio. O salto do dia acabou varrendo a baixa do dólar acumulada no ano até a véspera, de 3,45 por cento.

Na máxima do dia, o dólar foi a 3,4400 reais, mas num pregão que teve como característica o baixo volume por conta dos temores dos investidores.

O dólar futuro subia cerca de 8 por cento, a 3,40 reais no final da tarde, depois de ter atingido mais cedo a máxima para o pregão, a 3,4175 reais.

“Tudo o que está ruim ainda pode piorar, é incerteza absoluta”, afirmou o gerente de tesouraria do Bank of China, Jayro Rezende.

O nervosismo pairou desde a abertura, tanto que os investidores evitaram tomar posições e o mercado à vista demorou a ter negócios. Diante disso, o Banco Central fez várias intervenções.

Na noite passada, o jornal O Globo noticiou que Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou Temer concordando com pagamentos para manter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, que está preso.

Assim que a notícia chegou ao Congresso, a oposição não perdeu tempo para pedir o impeachment de Temer. Especialistas afirmaram que o governo foi fortemente abalado e, assim, as reformas consideradas essenciais, sobretudo a da Previdência, para recuperar a economia serão afetadas.

Diante da forte turbulência na cena política brasileira --que afetou até ativos no exterior, como os Treasuries norte-americanos--, o Tesouro Nacional e o BC atuaram.

O BC fez vendeu, por meio de leilões, 80 mil novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares, além de outros 8 mil papéis para a rolagem dos swaps que vencem em junho, no total de 4,435 bilhões de dólares.

Além dos leilões de swap pelo BC, o Tesouro suspendeu o leilão de venda de LTN e LFT programado para esta sessão e anunciou três novos leilões de compra e venda de títulos para os próximos dias.

Em setembro de 2015, BC e Tesouro atuaram conjuntamente para conter a forte volatilidade nos mercados financeiros, parceria adotada novamente no fim de 2016 após a eleição do presidente norte-americano Donald Trump.

Nas últimas semanas, os mercados financeiros estavam vivendo uma espécie de lua-de-mel com o governo Temer, apostando que ele conseguiria angariar votos suficientes para aprovar as reformas no Congresso Nacional. O dólar, nesta semana, chegou a fechar abaixo do patamar de 3,10 reais.

Além disso, a economia vinha dando alguns sinais de recuperação, depois de dois anos seguidos de forte recessão. A inflação também vinha perdendo fôlego e possibilitando que o BC fizesse reduções importantes na taxa básica de juros, o que tem potencial para estimular o consumo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below