16 de Agosto de 2017 / às 12:53 / um mês atrás

Serviços sobem 1,3% em junho, maior alta em mais de um ano, e fecham 2º tri positivo

Passageiros são vistos dentro de ônibus no Rio de Janeiro, Brasil 26/7/2017 REUTERS/Ricardo Moraes

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - O setor de serviços brasileiro registrou em junho a maior alta mensal em pouco mais de um ano, com resultado bem melhor do que o esperado, fechando o segundo trimestre no azul depois de nove trimestres seguidos de perdas.

O volume de serviços aumentou 1,3 por cento em junho ante maio, melhor desempenho desde o avanço de 1,4 por cento visto em março de 2016, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

O resultado ficou bem acima da expectativa em pesquisa da Reuters de ganho de 0,6 por cento na comparação mensal, e também foi a melhor leitura para o mês desde o início da série histórica iniciada em 2012.

Em relação ao mesmo mês do ano passado, o setor registrou queda no volume de 3,0 por cento, um pouco melhor do que a expectativa de recuo de 3,7 por cento.

Com isso, a atividade de serviços encerrou o segundo trimestre com alta de 0,3 por cento em relação aos três meses anteriores, apresentando ganhos pela primeira vez depois de nove trimestres seguidos de resultados negativos.

Segundo o IBGE, quatro das cinco principais categorias registraram aumento no volume de serviços em junho, sendo a exceção Serviços de informação e comunicação (-0,2 por cento).

O volume de Serviços prestados às famílias e Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio tiveram aumento de 1 por cento no mês. Já Serviços profissionais, administrativos e complementares avançaram 0,8 por cento, enquanto Outros Serviços aumentaram 0,7 por cento.

Apesar dos resultados melhores do que o esperado, o setor de serviços ainda enfrenta a elevada taxa de desemprego e o coordenador da pesquisa no IBGE, Roberto Saldanha, encara os números com cautela.

“O que dá para dizer é que a pior fase para o setor de serviços já passou, mas não dá para bancar uma recuperação”, disse ele. “Para ser uma recuperação, é preciso crescimento mais forte da economia, reação mais robusta da indústria e dos próprios governos, que contratam muitos serviços”, acrescentou.

O setor também é favorecido pela inflação baixa e pela queda da taxa de juros, que também ajudaram as vendas no varejo em junho a subirem 1,2 por cento sobre o mês anterior e 3 por cento na comparação com o mesmo período de 2016.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below