17 de Agosto de 2017 / às 21:12 / em 3 meses

Produção de café na área da Cooxupé deverá ser 30% menor com clima e broca

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de café na região de atuação da Cooxupé deverá ser 30 por cento menor neste ano ante 2016, em razão das chuvas aquém do ideal durante a fase de granação e também por causa da infestação por broca, que afetaram a produtividade média, afirmou o superintendente comercial da cooperativa, Lúcio Araújo Dias.

Trabalhadores carregam sacas de 60 kg de café para exportação em contêiner em Santos, no Brasil 10/12/2015 REUTERS/Paulo Whitaker

À medida que a colheita caminha para o seu final, Dias disse que a produção na área da maior cooperativa de cafeicultores do Brasil, com sede em Guaxupé (MG), deverá atingir 14 milhões de sacas de 60 kg, 3 milhões de sacas abaixo do esperado anteriormente --o número inclui lavouras de cooperados e não cooperados.

A menor produção na área da cooperativa, que atua nas regiões do Sul de Minas, Cerrado e norte de São Paulo, e que representa 30 por cento da safra brasileira oficialmente estimada de 45,6 milhões de sacas, sinaliza dificuldades ainda maiores para exportadores e indústrias, uma vez que o Brasil começou a safra atual com estoques historicamente baixos.

Os embarques de café do Brasil têm sido baixos nos últimos meses, com o mercado apontando para grãos menores e um menor volume de produto de alta qualidade. As exportações do grão em julho foram as menores em mais de dez anos, segundo dados do governo.

De acordo com o superintendente comercial da Cooxupé, anteriormente a cooperativa esperava uma queda menor ante a temporada passada, de 15 por cento, uma vez que esta safra é negativa no ciclo bianual do arábica.

“Tivemos períodos sem chuvas ou com chuvas muito fracas no final de dezembro e em janeiro e fevereiro. Depois veio a broca, Então, a produtividade foi mais baixa e houve perda de produção mesmo”, comentou Dias.

As novas previsões da Cooxupé ocorrem em um momento em que a colheita da safra brasileira 2017/18 se aproxima do fim, com 91 por cento do total colhido até 15 de agosto, segundo monitoramento da Safras & Mercado.

Já os cooperados da Cooxupé haviam colhido 87,96 por cento do total até 12 de agosto, ante 82,11 por cento um ano antes.

O fato é que a produção menor também se refletirá sobre as entregas de café à cooperativa, de acordo com Dias.

A Cooxupé esperava receber em torno de 5,6 milhões de sacas de café neste ciclo, mas o volume deve ficar entre 4,8 milhões e 4,9 milhões de sacas, projetou o superintende comercial.

No ano passado, os recebimentos da cooperativa somaram 6,28 milhões de sacas.

“O principal motivo é que gastamos muito café verde para dar uma saca de café beneficiado. A granação foi muito ruim, então o café ficou menos denso, menos pesado. Além disso tivemos um ataque de broca muito persistente neste ano”, resumiu Dias.

O ataque por broca é o pior da história recente e deve-se à proibição de um pesticida usado há 40 anos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below