22 de Agosto de 2017 / às 12:23 / em um mês

Privatização da Eletrobras deve atrair investidor financeiro, prevê Engie Brasil

SÃO PAULO (Reuters) - O modelo de venda do controle da estatal Eletrobras pelo governo federal deve atrair principalmente investidores financeiros, afirmou nesta terça-feira o CEO da Engie Brasil Energia, Eduardo Sattamini, acrescentando que a empresa mantém interesse nas hidrelétricas da estatal caso esta siga com os planos já anunciados para a venda de ativos.

O Ministério de Minas e Energia anunciou na segunda-feira que vai propor a desestatização da elétrica, mas em um modelo no qual o governo seguiria como acionista minoritário e teria poder de veto em determinados assuntos estratégicos. A pasta estima que o negócio poderia arrecadar 20 bilhões de reais para ajudar a União.

“É mais difícil para um operador entrar nesse tipo de modelo (com poder de veto para a União). É mais fácil um player financeiro, como foi o caso do Bradesco na época da privatização da Vale, do que atrair um parceiro estratégico”, disse Sattamini a jornalistas, nos bastidores de um evento do setor.

Ele disse que a própria Engie não tem como perfil entrar como minoritária ou investir em negócios nos quais não possua total poder de gestão, o que provavelmente seria o caso na futura venda da Eletrobras.

Mas o executivo ressaltou que a companhia controlada pelo grupo francês Engie, que é líder entre os agentes privados em geração no país, segue atenta a oportunidades caso a Eletrobras siga com planos anunciados anteriormente pelo governo de vender suas hidrelétricas antigas.

Outros ativos na mira da Engie Brasil são as quatro hidrelétricas da Cemig , cuja concessão o governo quer licitar no próximo mês, devido ao vencimento dos contratos com a elétrica mineira.

A Cemig argumenta que tem direito a manter essas usinas, e tem travado uma disputa com a União pelos ativos, o que inclui ações judiciais.

Atualmente, o certame está suspenso por uma decisão liminar do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, mas segundo Sattamini a guerra judicial não afasta o interesse da Engie Brasil.

Ele lembrou que a Engie ganhou a disputa nos anos 1990 pela privatização da Gerasul, única subsidiária de geração da Eletrobras a ser vendida na época pelo governo de Fernando Henrique Cardoso, em um negócio que também foi bastante questionado na Justiça e, mesmo assim, rendeu bons frutos para a companhia.

“Podemos disputar o leilão das usinas da Cemig”, afirmou.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below