23 de Agosto de 2017 / às 12:40 / em 3 meses

IPCA-15 sobe menos que o esperado em agosto e chega ao menor nível em 12 meses desde 1999

SÃO PAULO (Reuters) - A prévia da inflação oficial do Brasil subiu menos do que o esperado em agosto, com nova queda dos preços de alimentos, e em 12 meses foi ao menor nível em quase 20 anos, mantendo o espaço para que o Banco Central siga com a trajetória mais forte de corte dos juros básicos.

Consumidora passa por cartazes com preços de produtos em mercado no Rio de Janeiro 09/12/2017 REUTERS/Ricardo Moraes

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) registrou alta de 0,35 por cento em agosto, depois de ter recuado 0,18 por cento no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

Em 12 meses, o indicador acumulou alta de 2,68 por cento, menor patamar desde março de 1999 (+2,64 por cento). Com isso, o indicador ficou ainda mais abaixo do piso da meta oficial deste ano, de 4,5 por cento pelo IPCA, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Ambos os resultados ficaram abaixo das expectativas em pesquisa da Reuters junto a analistas, de avanço mensal de 0,40 por cento e alta de 2,73 por cento no acumulado de 12 meses.

Segundo o IBGE, em agosto o grupo Alimentação e Bebidas, que responde por 25 por cento das despesas das famílias, recuou 0,65 por cento, no terceiro mês seguido de queda dos preços. Os destaques foram os preços do feijão-carioca (-13,89 por cento), batata-inglesa (-13,06 por cento) e leite longa vida (-3,86 por cento).

Também apresentaram queda os preços de Comunicação, de 0,32 por cento, e de Vestuário, de 0,29 por cento.

Na outra ponta, os grupos Transportes e Habitação registraram as maiores altas no mês, respectivamente de 1,35 e 1,01 por cento. Somente os combustíveis subiram 5,96 por cento, enquanto a tarifa de energia elétrica teve alta de 4,27 por cento com a entrada em vigor da bandeira tarifária vermelha.

Com a pressão inflacionária contida e fraca atividade econômica, o BC vem reduzindo a taxa básica de juros desde outubro passado, levando-a aos atuais 9,25 por cento após redução total de 5 pontos percentuais.

A autoridade monetária volta a se reunir no início de setembro, e a expectativa de economistas na pesquisa Focus é de manutenção do corte de 1 ponto, como nos três encontros anteriores, com a Selic terminando o ano 7,5 por cento.

Veja detalhes da inflação medida pelo IPCA-15 na variação mensal (%):

Grupo Julho Agosto

Alimentação e Bebidas -0,55 -0,65

Habitação +0,24 +1,01

Artigos de Residência -0,55 +0,21

Vestuário +0,04 -0,29

Transportes -0,64 +1,35

Saúde e Cuidados Pessoais +0,14 +0,73

Despesas Pessoais +0,31 +0,34

Educação +0,08 +0,19

Comunicação 0,00 -0,32

Índice Geral -0,18 +0,35

Edição de Patrícia Duarte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below