1 de Setembro de 2017 / às 19:52 / em 3 meses

Atraso em transmissão impede Belo Monte de gerar com novas turbinas

SÃO PAULO (Reuters) - A hidrelétrica de Belo Monte não poderá gerar eletricidade com sua próxima turbina a ser concluída ainda neste mês, devido a atrasos na obra de linhas de transmissão que iriam escoar a produção da usina no Pará até o sistema elétrico, segundo um documento visto pela Reuters.

Visão geral das obras da hidrelétrica de Belo Monte, em Pimental, perto de Altamira, no Estado do Pará 23/11/2013 REUTERS/Paulo Santos

A Norte Energia, que reúne os sócios do empreendimento, com acionistas como Eletrobras, Cemig, Light, Neoenergia e Vale, já foi alertada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) sobre a falta de capacidade do sistema para receber a geração da próxima máquina da usina, que quando concluída será uma das maiores do mundo.

Até o momento, a usina no Rio Xingu, com investimento estimado em 35,9 bilhões de reais, colocou em operação comercial doze turbinas --seis na casa de força principal e seis menores em uma unidade complementar.

“Com o atraso na linha (de transmissão)... há capacidade para escoamento apenas até a unidade geradora 6 (da casa de força principal)”, afirma um documento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) visto pela Reuters, que publicou reportagem em março indicando que o problema limitaria a geração a partir do final deste ano.

Cada máquina da casa de força principal tem 611 megawatts em capacidade, o que representa praticamente a potência de uma usina de grande porte.

A título de comparação, a hidrelétrica de Sinop, com 400 megawatts, exigiu investimentos de cerca de 3 bilhões de reais.

A limitação em Belo Monte vem após a espanhola Abengoa alegar crise financeira e abandonar ainda no final de 2015 as obras de linhas de transmissão que aumentariam a capacidade do sistema e possibilitariam à rede receber a energia de Belo Monte.

Até o momento, a geração da hidrelétrica vinha sendo escoada por um sistema local de transmissão, mas a capacidade dessa estrutura já se esgotou.

Uma autoridade do setor elétrico confirmou à Reuters que Belo Monte alcançou o limite disponível para transmissão.

“É isso mesmo. O que acontece é que houve vários atrasos no cronograma de obras de transmissão, principalmente naquelas obras do Nordeste que seriam da Abengoa”, disse.

Embora a restrição faça com que a próxima máquina de Belo Monte não esteja apta a produzir eletricidade para a rede, a turbina deverá ser ligada mesmo assim, para apoiar a operação do sistema elétrico, funcionando em um esquema conhecido tecnicamente como “compensador síncrono”, acrescentou a fonte.

“É uma manobra elétrica muito comum no sistema elétrico, no mundo inteiro... ajuda na operação, no controle da operação. A máquina não injeta megawatts na rede, ela absorve”, explicou a fonte, que falou sob a condição de anonimato.

A previsão agora é que essa restrição acabe somente quando entrar em operação um enorme linhão de ultra-alta tensão que está sendo construído pela Belo Monte Transmissora de Energia (BMTE), uma parceria da chinesa State Grid com a Eletrobras.

O linhão, que ligará Belo Monte ao Sudeste, tem cronograma que prevê conclusão para fevereiro de 2018, o que deve permitir o escoamento da energia das novas turbinas, se não houver atraso na obra.

Procurada pela Reuters, a Norte Energia disse em nota que “qualquer unidade geradora conectada ao sistema elétrico assegura receita ao empreendedor, independentemente de questões referentes à transmissão de energia”. O pagamento é previsto porque o atraso não está sob controle da empresa.

Segundo a companhia, a conexão das próximas máquinas da usina, as turbinas 7 e 8, “está programada para setembro e dezembro deste ano, respectivamente”.

O ONS não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

ATRASO ADICIONAL

A Norte Energia apontou à Aneel, ainda, um pedido para atrasar em quase um ano a data prevista para a entrada em operação da totalidade das máquinas de Belo Monte, segundo documento do regulador visto pela Reuters.

O contrato de concessão da usina prevê o acionamento da última turbina da casa de força principal em 31 de janeiro de 2019, mas a Norte Energia disse ter uma previsão atual de concluir a instalação das máquinas em 6 de janeiro de 2020.

Questionada sobre a data prevista para conclusão da usina, a Norte Energia disse apenas que “mantém o cronograma informado até o momento aos órgãos de regulação do setor”, sem abrir as datas previstas.

Na correspondência à Aneel sobre a limitação na geração em Belo Monte, a Norte Energia pediu autorização para adiar a entrega das próximas turbinas para a partir de março de 2018, o que, segundo a empresa, alinharia o cronograma da usina com a data em que o sistema de transmissão estará pronto.

Case este pedido seja aceito, a usina atrasaria um pouco mais, ficando totalmente pronta em 25 de fevereiro de 2020, segundo o documento.

Quando estiver concluída, Belo Monte contará ao todo com 24 máquinas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below