21 de Setembro de 2017 / às 19:40 / em 3 meses

Rússia fornecerá mais petróleo à China, aumentando disputa com sauditas

PEQUIM/MOSCOU (Reuters) - Refinarias chinesas estão se preparando para receber mais petróleo russo transportado por meio de uma rede expandida de oleodutos siberianos a partir de janeiro, provavelmente concretizando a posição da Rússia como maior fornecedora de petróleo à China em uma disputada corrida com a Arábia Saudita.

O planejado aumento no fornecimento, acertado em contratos assinados em 2013, ocorre em meio a um compromisso de produtores em reduzir a produção para apertar os mercados globais e ilustra a concorrência entre Rússia e Arábia Saudita, os maiores exportadores de petróleo do mundo, por dominância no maior importador, a China.

A Rosneft (ROSN.MM), maior produtora de petróleo da Rússia, disse que deverá fornecer em 2018, sob o acordo do governo, 30 milhões de toneladas de petróleo ESPO Blend à PetroChina 0857.HK, ou 600 mil barris por dia, um aumento de 50 por cento ante este ano, após a conclusão do segundo oleoduto East Siberia Pacific Ocean (ESPO), que tem um impulso direto para a cidade fronteiriça chinesa de Mohe.

“A Rosneft tem recursos suficientes para fornecer sob todos seus contratos existentes, incluindo o plano de aumentar a oferta para a China em 10 milhões de toneladas no próximo ano”, disse a Rosneft em nota enviada por email à Reuters nesta quinta-feira.

Por Chen Aizhu e Olga Yagova; reportagem adicional de Florence Tan

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below