27 de Setembro de 2017 / às 20:22 / em 2 meses

Proposta tributária de Trump reduz impostos de empresas e ricos, em meio à preocupação com déficit

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, propôs nesta quarta-feira a maior revisão de impostos na economia norte-americana em três décadas, oferecendo redução de impostos para a maioria dos americanos, mas provocando críticas de que o plano favorece os ricos e as empresas e poderia aumentar em trilhões de dólares o déficit do país.

A proposta, que o presidente republicano disse ter sido destinada a ajudar pessoas que trabalham e para criar empregos, enfrenta uma batalha difícil no Congresso, com o partido de Trump dividido e os democratas hostis.

Os republicanos planejam reduzir reduzir os impostos para as pequenas empresas, reduzir a taxa superior de imposto de renda para os indivíduos e eliminar algumas restrições fiscais amplamente utilizadas, incluindo uma que beneficie as pessoas em estados de alta tributação dominados pelos democratas.

“Vai ser algo especial”, disse Trump a jornalistas na Casa Branca, promovendo-o como “o maior corte de impostos na história do nosso país”.

O plano, discutido durante meses entre os assessores de Trump e os principais republicanos no Congresso e abraçado por grandes empresas, continha escassos detalhes sobre como sustentar os cortes sem gastar déficits.

O plano tributário foi delineado no dia seguinte à principal prioridade legislativa dos republicanos, uma revisão do sistema de saúde dos EUA, ter fracassado no Senado, enquanto outro item fundamental da lista de desejos de Trump, o aumento de gastos de infraestrutura, ainda não se materializou.

A Casa Branca disse que, sob a proposta, a família típica de classe média teria menos renda sujeita ao imposto de renda federal.

O plano pode reduzir a taxa individual para 35 por cento, de 39,6 por cento, mas também endurecer as reduções básicas, uma quantidade de itens isentos de taxação, para todos os contribuintes.

O plano prevê um imposto de 20 por cento para empresas, dos atuais 35 por cento, mas não os 15 por cento da demanda inicial de Trump.

Nesta quarta-feira, Trump disse que sua proposta de 15 por cento era uma posição de barganha para então chegar a 20 por cento. “Eu não estou negociando o número”, disse Trump. “Vinte por cento é um número perfeito.”

As empresas nos Estados Unidos pagam impostos elevados para os padrões globais, mas muitas pagam muito menos do que a taxa global devido a lacunas e isenções fiscais.

A proposta agora enfrentará um longo processo legislativo e pode demorar meses. Trump tem apelado aos Democratas para apoiarem o plano, embora não tenham sido consultados em sua elaboração.

Os republicanos têm uma pequena maioria de 52 a 48 no Senado e podem precisar de alguns democratas para garantir a aprovação. Mas os Democratas disseram que o plano pode elevar o déficit fiscal ao cortar impostos de americanos ricos ao invés de famílias de classe média que Trump e os Republicanos estão dizendo que querem ajudar.

(Reportagem adicional de Susan Heavey, Doinca Chiacu e Amanda Becker)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5644 7723))

REUTERS CV LGG

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below