29 de Setembro de 2017 / às 19:46 / em 2 meses

Portos argentinos abrem licitação para contratos de estivadores em revés para sindicatos

BUENOS AIRES (Reuters) - O grupo da indústria de portos da Argentina convidou seis organizações a competirem por contratos de estivadores no centro de exportação de grãos em Rosário, uma vez que o governo busca reduzir custos no setor altamente sindicalizado, disse o líder do grupo à Reuters nesta sexta-feira.

Grãos são carregados a navios para exportação em porto perto de Rosário, na Argentina 31/01/2017 REUTERS/Marcos Brindicci

O governo do presidente Mauricio Macri exigiu nesta semana do Sindicato de Trabalhadores Portuários Unidos a abertura de contratos de carga e descarga para licitação competitiva, parte de seu esforço mais amplo para confrontar os poderosos sindicatos do país e reduzir os custos de negócio.

Rosário é o ponto de saída para soja, milho e trigo produzido no grande cinturão agrícola dos Pampas argentinos. O país é o maior exportador mundial de ração de farelo de soja, bem como um importante fornecedor de milho, trigo e soja crua.

Cinco companhias locais foram convidadas para compartir pelos contratos dos dois portos, disse Martin Brindice, gerente-geral da Câmara de Portos Privados Comerciais (CPPC). São elas Murchison, Brayco, Milisenda, Port Side Maritime e Servicios y Asesoramiento Portuario SRL.

Uma cooperativa de trabalhadores portuários ligada ao sindicato também foi convidada a fazer ofertas.

Por Maximilian Heath

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below