February 16, 2018 / 12:38 PM / 8 months ago

Dólar tem leves variações ante real com cena externa mais tranquila

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar tinha leves variações ante o real nesta sexta-feira, em meio ao cenário externo mais tranquilo após as fortes e recentes turbulências diante de temores de que os juros poderiam subir mais rápido nos Estados Unidos, afetando o fluxo de capital global.

Notas de reais e dólares em uma casa de câmbio no Rio de Janeiro 10/09/2015 REUTERS/Ricardo Moraes

A cena política interna também continuava no radar dos mercados, com a intervenção federal na segurança pública no Estado do Rio de Janeiro colocando em risco a votação da reforma da Previdência, que já era vista com muito ceticismo pelos investidores.

Às 10:36, o dólar recuava 0,08 por cento, a 3,2334 reais na venda, depois de subir 0,26 por cento na véspera. O dólar futuro era negociado praticamente estável.

“O dólar está operando num patamar mais acomodado, depois de ter acalmado lá fora após o pessimismo da semana passada”, afirmou o operador da corretora Spinelli José Carlos Amado.

Na semana passada, a moeda norte-americana chegou a saltar à casa de 3,30 reais após dados econômicos mais fortes nos Estados Unidos alimentarem percepções de que o Federal Reserve, banco central do país, poderia elevar os juros num ritmo mais forte do que o esperado. Mas esse cenário perdeu fôlego nesta semana.

No exterior, o dólar tinha leve alta ante uma cesta de moedas depois de ter atingido mais cedo o menor nível desde dezembro de 2014. Na semana, o índice caminhava para perder cerca de 2 por cento, maior declínio desde fevereiro de 2016.

Ante as moedas de países emergentes, do dólar trabalhava misto, em baixa ante a lira turca e leve alta ante os pesos chileno e mexicano.

Juros maiores tendem a atrair para a economia norte-americana recursos aplicados hoje em outras praças financeiras, como a brasileira.

Internamente, os investidores também estavam acompanhando as negociações sobre a votação da reforma da Previdência, agora afetada pela intervenção do governo na segurança pública do Rio de Janeiro uma vez que a Constituição veta emendas constitucionais na vigência de intervenção federal.

O governo batalhava para colocar a matéria em votação até o final deste mês, mas ainda não havia conseguido o apoio político mínimo.

“Pode não ter votação da Previdência, mas o governo já não estava muito confiante que isso aconteceria”, afirmou o diretor de operações da corretora Mirae, Pablo Spyer.

O Banco Central brasileiro fará nesta sessão novo leilão de até 9,5 mil swaps cambiais tradicionais —equivalentes à venda futura de dólares— para rolagem dos contratos que vencem em março, no total de 6,154 bilhões de dólares.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below