May 30, 2018 / 3:01 PM / 6 months ago

Bovespa recua com mercado ainda fragilizado por greve; Petrobras cai

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice de ações da B3 mostrava fraqueza nesta quarta-feira, véspera de feriado no Brasil, com investidores ainda calculando os efeitos da greve dos caminhoneiros e das medidas para encerrar a paralisação para as empresas e , embora exista uma percepção entre agentes financeiros de que o pior pode ter passado.

Pessoas olham para gráfico de flutuações do mercado na Bovespa, São Paulo, Brasi 09/05/2016 REUTERS/Paulo Whitaker

Às 11:54, o Ibovespa recuava 0,34 por cento, a 75.816 pontos. O volume financeiro somava 4 bilhões de reais.

A “normalização do abastecimento de combustíveis começa a ganhar força, e a sensação de que o pior passou se dissemina”, destacou a equipe da corretora H.Commcor em nota a clientes, não descartando, contudo, continuidade da correção negativa dos ativos brasileiros.

“O mercado ainda está muito frágil”, disse um gestor do Rio de Janeiro. “Apesar de melhor, a situação ainda não está resolvida. E ainda precisam ser apurados os tamanhos dos prejuízos”, disse outro gestor em São Paulo.

Estrategistas do Morgan Stanley cortaram a recomendação das ações brasileiras para ‘equal-weight’ em seu portfólio para América Latina e reduziram o seu preço-alvo para o Ibovespa no final do ano para 75 mil pontos ante 82 mil anteriormente, citando entre os fatores o cenário eleitoral

No exterior, Wall Street mostrava ganhos, com papéis se recuperando após o recuo na véspera, quando pesou a preocupação com a crise política na Itália. O dólar também recuava ante uma cesta de moedas e o petróleo subia.

DESTAQUES

- BANCO DO BRASIL subia 2,1 por cento, capitaneando o avanço das ações de bancos do Ibovespa, no segundo dia de alta. O JPMorgan soltou nota a clientes afirmando que a ação estava em um patamar de preço interessante, “um ponto de entrada convincente”. BRADESCO PN tinha elevação de 0,10 por cento, enquanto ITAÚ UNIBANCO PN recuava 0,58 por cento.

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON caíam 2,6 e 1 por cento, tendo no radar greve em pelo menos 20 plataformas da companhia e manutenção das incertezas acerca de influência governamental na política de preços da petroleira de controle estatal. Também trouxe desconforto a renúncia de membro independente do conselho de administração. Analistas do Santander cortaram a recomendação dos ADRs da Petrobras para “manter”.

- VALE tinha variação positiva de 0,14 por cento, tendo como pano de fundo a alta dos preços do minério de ferro à vista na China.

- MARFRIG caía 1,7 por cento, com o setor de proteínas como um todo em queda, em meio ao forte efeito da paralisação dos caminhoneiros no setor. BRF caía 0,85 por cento, JBS cedia 1,1 por cento e MINERVA, que não está no índice, recuava 2,33 por cento.

- ECORODOVIAS valorizava-se 2,48 por cento, também dando continuidade aos ganhos da véspera, após recuar com força nas sessões anteriores, também afetada pelos efeitos da greve dos caminhoneiros e das medidas para encerrar a paralisação. O UBS elevou a recomendação das ações para ‘compra’, citando que “estavam muito baratas para ignorar”. No setor, CCR subia 0,4 por cento.

- MAGAZINE LUIZA avançava 2,7 por cento e VIA VAREJO UNIT tinha alta de 1,8 por cento, também reagindo a perspectivas de alguma normalização nos transportes de cargas, depois que o setor de consumo foi atingido pela greve dos caminhoneiros que comprometeu o fornecimento e o escoamento de produtos.

Por Paula Arend Laier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below