August 23, 2018 / 3:37 PM / 3 months ago

BNDES vai apoiar interessados em leilões de rodovias, diz Dyogo Oliveira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai apoiar os interessados nos leilões da Rodovia de Integração do Sul (RIS), marcado para novembro, e das BRs 364 e 365 que ainda dependem de parecer do Tribunal de Contas da União (TCU), disse o presidente do banco de fomento nesta quinta-feira.

Presidente do BNDES, Dyogo Oliveira 23/05/ 2018. REUTERS/Pilar Olivares

O BNDES, contudo, não pretende apresentar novas condições de financiamento aos interessados.

“Vamos dar apoio e as condições serão as de sempre e que fazem parte da nossa política operacional”, declarou Dyogo Oliveira a jornalistas, após participar do Fórum Nacional promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE), sem dar mais detalhes.

Embora tenha criticado o nível de exigência e detalhamento dos órgãos reguladores para a concessão de rodovias no país, que ele chamou de “nanométricas”, Dyogo Oliveira disse que vem sendo procurado por muitos grupos interessados nas concessões das rodovias e que tem certeza que os leilões serão um grande sucesso.

“Ter obras tão detalhadas cria dificuldades de cumprir o plano original e contestações lá na frente”, disse ele a jornalistas.

“O contato que temos tido com investidores nos deixa muito confiantes que vai haver demanda forte nos leilão da RIS e da 364 e 365”, disse.

Para Oliveira, o setor de rodovias deveria usar como parâmetro o segmento de energia que tem leilões simples, disputados e que dão garantia de retorno aos investidores.

“O marco legal da infraestrutura tem que ser desenvolvido… o marco legal do setor elétrico tem uma grande eficiência… o oposto disso é o saneamento onde nossos indicadores são deploráveis e o marco regulatório uma confusão infernal”, declarou o presidente do BNDES.

“No setor de rodovias temos um modelo que caminha no sentido contrário: em vez de ir na direção do elétrico que é mais flexível, menos detalhado e com menos regulação, caminhamos para o detalhamento ao nível nanométrico e isso não tem condição de dar certo e menor hipótese de funcionar”, disse Oliveira.

DESEMBOLSOS

O BNDES desembolsou neste ano até julho cerca de 33 bilhões de reais, uma queda de 18 por cento ante o mesmo período de 2017, enquanto as consultas cresceram 4 por cento e os enquadramentos subiram 18 por cento na mesma comparação, segundo o presidente da instituição.

Apesar da queda, Oliveira está confiante que o banco vá cumprir a meta de empréstimos do ano de 70 bilhões a 80 bilhões de reais, por conta dos pedidos feitos no passado e que já estão próximos de serem liberados.

“Acho que é tranquilo fechar com mais uns 40 bilhões de reais até o fim do ano (em empréstimos)”, disse.

Oliveira minimizou os efeitos da alta do dólar sobre a demanda por recursos do banco. “Isso é volatilidade de curtíssimo prazo ...e decisões de investimento observam uma trajetória mais longa. Não acho que o dólar vai afetar.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below