August 27, 2018 / 1:06 PM / in 3 months

Dívida pública federal interrompe 5 meses de alta e cai 0,14% em julho, diz Tesouro

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida pública federal do Brasil caiu 0,14 por cento em julho sobre junho, a 3,749 trilhões de reais, interrompendo cinco meses consecutivos de alta com a ajuda da queda do dólar frente ao real no período.

Imagem ilustrativa de moedas de real 15/10/2010 REUTERS

Com isso, seguiu fora do intervalo de referência estabelecido para o ano, de 3,78 trilhões a 3,98 trilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta segunda-feira.

O dado foi afetado pelo desempenho da dívida externa no mês. Em julho, houve redução de 3,75 por cento sobre o estoque apurado no mês anterior, a 141,28 bilhões de reais.

Isso ocorreu no mês em que o dólar conseguiu garantir sua primeira queda mensal desde janeiro, de 3,16 por cento, graças a um ambiente um pouco mais tranquilo no exterior. [nL1N1UR1LD]

Já a dívida pública mobiliária interna teve alta de 0,01 por cento na mesma base de comparação, a 3,608 trilhões de reais. Neste caso, houve apropriação positiva de juros de 30,26 bilhões de reais e resgate líquido de 29,76 bilhões de reais.

Em agosto, contudo, a moeda norte-americana voltou a mostrar forte avanço, principalmente por preocupações com a cena eleitoral doméstica, indo acima de 4 reais.

Pesquisas recentes de intenção de voto têm mostrado o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) mantendo a liderança na disputa no cenário em que não há a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no páreo.

O candidato preferido do mercado, Geraldo Alckmin (PSDB), segue sem ganhar tração, enquanto o crescimento de Lula tem alimentado apostas de que o PT irá assegurar sua presença no segundo turno.

Em meio à forte volatilidade, o dólar acumulou na semana passada valorização de 4,85 por cento, maior ganho semanal desde novembro de 2016, fechando a sexta-feira a 4,1044 reais na venda. [nL2N1VF19A]

O BC, contudo, não fez nenhuma atuação extraordinária, seguindo na oferta de swaps cambiais tradicionais para rolagem do estoque. Da sua parte, o Tesouro tampouco anunciou leilões extraordinários.

Do fim de maio ao início de julho, ambos atuaram em conjunto em meio à turbulência nos mercados com a escalada das tensões comerciais e temores de mais aperto monetário nos Estados Unidos, além de greve dos caminhoneiros no Brasil e incertezas sobre as eleições presidenciais de outubro.

Enquanto o Tesouro realizou uma série de leilões extraordinários de títulos soberanos, o BC fez leilões de novos swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda futura de dólares.

Sobre eventual nova atuação do Tesouro, o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Luis Felipe Vital, não descartou a investida, mas afirmou nesta segunda-feira que o mercado hoje possui menor exposição ao risco.

“O Tesouro acompanha o funcionamento dos mercados praticamente o tempo todo, e eu acho que é importante destacar que as condições técnicas do mercado hoje são diferentes do que a gente via em maio e junho. Hoje o mercado possui uma exposição menor a risco e isso dá maior capacidade aos agentes de absorver a volatilidade, absorver as incertezas”, afirmou Vital em coletiva de imprensa.

“Mas de qualquer forma, o Tesouro segue monitorando os mercados e, sempre que identificar necessidade, fará algum tipo de atuação extraordinária”, acrescentou.

Diante da condição técnica “mais favorável” dos mercados, Vital apontou que o Tesouro tem conseguido nos seus leilões tradicionais realizar a estratégia prevista para o mês.

COMPOSIÇÃO

Sobre a composição da dívida pública, os títulos atrelados à taxa flutuante, como a Selic, assumiram a dianteira e passaram a responder pela maior fatia da dívida total, com representatividade de 33,64 por cento, sobre 32,34 por cento em junho.

Para o ano, o objetivo no Plano Anual de Financiamento é que esses papéis, representados pelas LFTs, fiquem entre 31 a 35 por cento da dívida pública federal.

Já os títulos prefixados, que eram até então os de maior peso na dívida, caíram a 32,82 por cento em julho, sobre 34,29 por cento em junho, mas ainda dentro da meta de 32 a 36 por cento para o ano.

Os títulos indexados à inflação, por sua vez, chegaram a 29,60 por cento da dívida total em julho, contra 29,28 por cento no mês anterior, sendo que a referência para o ano é de 27 a 31 por cento.

A participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna subiu a 12,57 em julho, ante 11,93 por cento em junho, apontou o Tesouro.

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below