September 26, 2018 / 7:08 PM / 21 days ago

Campo de Lula terá pico de produção entre 2020 e 2021, acima de 1 mi boe/d, diz Shell

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O campo gigante de Lula, no pré-sal da Bacia de Santos, deverá ter seu pico de produção entre 2020 e 2021, acima de 1 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boe/d), afirmou à Reuters nesta quarta-feira o gerente da Shell dos campos de Lula, Iracema, Lapa e Sapinhoá, Cristiano Pinto da Costa.

Operado pela Petrobras, o campo de Lula é o maior produtor do Brasil e deverá superar 1 milhão de boe/dia em 2019, segundo Costa.

Em julho, produziu média diária de 879 milhões de barris de petróleo e 36,8 milhões de metros cúbicos de gás, segundo os últimos dados publicados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Os 1 milhão de boe diários serão possíveis após a entrada das plataformas P-67 e P-69, previstas no plano de negócios para ainda este ano, segundo Costa.

O executivo explicou que o contrato de concessão do ativo vai até 2037. Ele evitou falar por quanto tempo o pico da produção irá se manter estável.

Costa ressaltou que Lula é considerado um ativo muito importante em todo mundo.

Segundo ele, atores internacionais ficam impressionados com os resultados de Lula, cujos poços chegam a atingir volumes de produção acima dos 40 mil boe/d. Lula é operado pela Petrobras, com 65 por cento de participação, em parceria com a anglo-holandesa Shell (25 por cento) e Petrogal Brasil, controlada pela portuguesa Galp (10 por cento).

Por Marta Nogueira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below