November 22, 2018 / 9:37 PM / 19 days ago

Presidente indicado do BB diz que quer usar mercado de capitais em privatizações

Economista Rubem Novaes chega para reunião com equipe de transição de Bolsonaro22/11/2018 REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - O economista Rubem Novaes, indicado para presidir o Banco do Brasil (BBAS3.SA) no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, disse nesta quinta-feira que pretende usar os mercados de capitais em processos de privatizações dentro da instituição financeira com máxima transparência quando estiver à frente do banco.

Novaes disse a jornalistas, em Brasília, que sua prioridade no momento é se informar ao máximo sobre as atividades e informações do banco e que pretende avaliar como reduzir a ação do Estado dentro do banco estatal.

“A gente vai procurar ver internamente ao banco o que que já é possível fazer na linha de privatização, de redução do papel do Estado, mas isso ainda está muito prematuro para eu detalhar”, disse Novaes a jornalistas.

“Você vai procurar fazer primeiro operações que mobilizem o mercado de capitais, operações com o máximo de transparência possível”, acrescentou.

Novaes ressalvou, entretanto, que não existe “nenhuma decisão” de privatizar completamente o Banco do Brasil.

“Aquela fase de privatização, que você direcionava venda para determinados compradores, você montava aqueles consórcios, isso está ultrapassado. Hoje a ideia é usar muito mais o mercado de capitais nas operações de privatizações, que não necessariamente serão a privatização total logo, você pode fazer isso em etapas”, disse.

“Fazer IPOs e vender partes e numa segunda etapa, então partir para a privatização. Mas veja, eu ainda não sou presidente do Banco do Brasil, fica muito difícil sair falando do Banco do Brasil nesse momento.”

Indagado sobre o fato de seu nome ter sido envolvido no escândalo envolvendo os bancos Marka e Fonte Cindam, em 1999, Novaes lembrou que foi denunciado pelo Ministério Público e tornou-se réu no caso, mas disse que posteriormente foi absolvido.

“Eu fui réu no processo, fui absolvido e não houve nem recurso do Ministério Público. Quer dizer, isso é um fato raro, você receber uma denúncia e o Ministério Público não recorrer na absolvição. Eu fui absolvido e o Ministério Público não recorreu. Isso é quase como se fosse um arrependimento pela denúncia”, afirmou Novaes.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below