November 30, 2018 / 8:16 PM / 10 days ago

PF investigará Guedes por fraude em gestão de fundo; defesa reafirma lisura de operações

Futuro ministro da Economia, Paulo Guedes 06/08/2018 REUTERS/Sergio Moraes

BRASÍLIA (Reuters) - A Polícia Federal abriu inquérito para investigar o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, por supostas fraudes na gestão de um fundo de investimento que contou com aportes de fundos de pensão de empresas estatais.

Em nota, a defesa do futuro ministro reiterou nesta sexta-feira a legalidade das operações e contestou o relatório da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) que tem servido de base para as apurações.

A investida da PF vem a reboque de pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Brasília, que em outubro já tinha aberto um procedimento preliminar acerca do mesmo caso. [nL2N1WQ2BQ]

Conduzida pela força-tarefa da operação Greenfield, a apuração do MPF foi baseada em documentos da Previc que vêm sendo rebatidos por Guedes e foi novamente criticado por sua defesa nesta sexta-feira.

“A defesa de Paulo Guedes reafirma a lisura de todas as operações do fundo que, diga-se de passagem, deu lucro aos cotistas, incluindo os fundos de pensão”, disseram em nota os advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso.

“Espera também que a investigação - agora corretamente conduzida no âmbito da Polícia Federal - apure as incoerências do relatório irregular produzido na Previc.”

O documento da Previc apontou “relevantes indícios de que, entre os meses de fevereiro de 2009 e junho de 2013, diretores/gestores dos fundos de pensão Funcef, Petros, Previ, Postalis (todas alvos da Operação Greenfield), Infaprev, Banesprev e Fipecq e da sociedade por ações BNDESPar possam ter se consorciado com o empresário Paulo Roberto Nunes Guedes (...), controlador do Grupo HSM Brasil, a fim de cometerem crimes de gestão fraudulenta ou temerária de instituições financeiras equiparadas e emissão e negociação de títulos mobiliários sem lastros ou garantias, relacionados a investimentos no FIP BR Educacional.”

À época, a HSM afirmou que Guedes “jamais foi sócio e controlador da HSM, informação equivocada que poderia ter sido apurada em mera consulta à Junta Comercial”. Também apontou que o futuro ministro não exerce qualquer cargo ou função na empresa desde 22 de outubro de 2014, data em que se desligou do conselho.

A Previ, por sua vez, assinalou em outubro que “no caso específico do FIP BR Educacional a Previ obteve retorno nominal de 116,99 por cento e um retorno acima da meta atuarial em 49,85 por cento”. Disse ainda que após encerramento do FIP, “foi realizada uma avaliação do investimento pela auditoria interna da Previ, que validou a conformidade das operações”.

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below