January 1, 2019 / 1:09 PM / 9 months ago

Bolsonaro critica agências reguladoras, quer "desamarrar" Ministério de Minas e Energia

Jair Bolsonaro deixa sede do governo de transição em Brasília 11/12/2018 REUTERS/Adriano Machado

(Reuters) - O presidente eleito Jair Bolsonaro voltou a criticar na véspera a estrutura da máquina pública do país, citando especificamente caso de agências reguladoras, entre as quais a recém criada autarquia encarregada pela área de mineração.

Em entrevista à rede Record, Bolsonaro (PSL) reafirmou que vai desburocratizar o governo e fazer uma revisão em dispositivos legais que atualmente regulam as atividades do setor privado.

“A máquina é muito pesada...são centenas de conselhos pelo Brasil. As agências reguladoras também...nos últimos meses receberam novos nomes...a qualidade de parte dessas agências, das pessoas...o interesse é outro, não é botar para funcionar pela agência”, disse Bolsonaro, sem dar detalhes.

“A agência mineral, por exemplo, nosso ministro de Minas e Energia está amarrado, tem que buscar maneiras de desamarrar”, acrescentou.

A Agência Nacional de Mineração (ANM) passou a funcionar no início de dezembro. A ANM, criada no governo de Michel Temer, assumiu as funções anteriormente exercidas pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), absorvendo atividades já desempenhadas e exercendo novas atribuições. A agência foi criada oficialmente para reduzir riscos e incertezas regulatórias para fomentar a confiança de investidores no setor.

Questionado sobre as denúncias envolvendo Fabrício Queiroz, o ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente eleito, Bolsonaro voltou a citar o longo relacionamento de sua família com ele e que cabe a Queiroz dar explicações.

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou “movimentação atípica” de mais de 1,2 milhão de reais do ex-assessor. Entre as movimentações suspeitas estão depósitos à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Bolsonaro, na entrevista, voltou a afirmar que trataram-se de pagamentos de um empréstimo que havia feito a Queiroz. “Quem nunca fez um negócio como amigo? Não cobrei juros...Meu filho não está sendo investigado por absolutamente nada. Se tiver algo mais, que eu desconheço, cabe a explicação ao senhor Fabrício (Queiroz), não a mim”, disse o presidente eleito.

Queiroz faltou duas vezes em depoimento marcado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro para explicar os rendimentos, alegando problemas de saúde.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below