January 28, 2019 / 7:08 PM / 24 days ago

ENFOQUE-Abalados, funcionários da Vale se unem e querem mudança em produção mineral

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Abalados e na espera de informações sobre centenas de colegas desaparecidos no desastre de Brumadinho (MG), funcionários da Vale (VALE3.SA) estão se mobilizando para exigir mudanças no modelo de produção, incluindo a utilização de tecnologias já existentes para eliminar rejeitos da mineração.

Equipe de resgate carrega corpo encontrado após colapso de barragem em Brumadinho 28/1/2019 REUTERS/Washington Alves

Os trabalhadores, representados pelos sindicatos, avaliam ainda que baixos investimentos da empresa em segurança acabam garantindo minério de ferro barato ao mercado global às custas de vidas e do meio ambiente.

Uma reunião de emergência de sindicatos foi convocada logo no sábado em Itabira (MG), a três horas de carro de onde no dia anterior a Barragem 1, da mina de ferro Córrego do Feijão, da Vale, rompeu-se em Brumadinho, liberando uma avalanche de um reservatório com cerca de 12 milhões de metros cúbicos de lama. No desastre, dezenas de pessoas morreram.

No encontro de sindicalistas, cerca de 30 representantes de trabalhadores de diversos sindicatos se queixaram da prática da companhia de armazenar rejeitos, quando já há tecnologia para eliminar esses passivos ambientais, e decidiram unir forças para mudar o cenário, reivindicando também maior participação dos funcionários em decisões por segurança.

Rafael Ávila, diretor-presidente do Sindicato Metabase Inconfidentes, que representa cerca de 1.500 trabalhadores, disse que ainda é cedo para falar em greve, mas que os empregados vão buscar unificar o movimento com sindicatos de todo o país e pressionar a empresa para serem ouvidos.

“É muito simples. Tem como fazer a filtragem desse material e depositar a seco, sem utilização de barragens, o problema é que é um investimento que eles não fazem”, disse Ávila.

“A Vale, em um trimestre, tem 5 bilhões de reais de lucro, mas isso não traz investimento em mudança do modelo de produção, e isso é uma bomba relógio”, acrescentou ele, queixando-se da ausência de informações sobre segurança nos planos da empresa, que nos últimos tempos está focando seu bilionário fluxo de caixa livre no pagamento de dividendos, oportunidades de crescimento e aquisições.

No sábado, além do Sindicato Metabase Inconfidentes, estavam representantes do Sindicato Metabase Itabira, Sindicato da Construção Civil Pesada (Siticop), Sind UTE Contagem, Sind UTE Barreiro, Sind Rede (professores de BH), brigadas populares e o partido PSTU.

Outras duas reuniões de emergência foram marcadas para esta segunda-feira, em Belo Horizonte, uma das centrais sindicais de MG e outra chamada pela Central Sindical e Popular-Conlutas, com diversos representantes de trabalhadores.

Ávila pontuou que “a Vale, só quando é pressionada pela produção, muda alguma coisa”, e que reclamações por segurança feitas por funcionários são desencorajadas, até mesmo por demissões.

Especialistas concordam que a tecnologia utilizada pela Vale deveria mudar.

“Isso custa dinheiro, é possível de ser feito. Claro. Só que nós temos que passar esse custo para o minério. Hoje o Brasil produz minério para o mundo subsidiando esse preço de produção com o nosso meio ambiente, com as nossas vidas. Isso tem que ser discutido, se nós queremos continuar fazendo isso”, disse o professor Carlos Martinez, da Universidade Federal de Itajubá e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Procurada, a empresa não comentou o assunto.

Em entrevista à Globonews, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta segunda-feira que a indústria mineradora do Brasil precisa substituir técnica de acúmulo de rejeitos de minérios em barragens, por tecnologia a seco onde for possível.

Ele não comentou se o governo avalia tornar obrigatória por lei uma mudança da política de disposição de rejeitos por mineradoras no Brasil.[nL1N1ZS0H4]

O advogado especializado na área ambiental Tiago Lima destacou que o Brasil vem tratando rejeitos de mineração da mesma forma há décadas.

“Aquele rejeito que fica naquela barragem, a primeira coisa que você pode pensar, é que aquilo nem devia estar ali... As empresas têm que usar essas tecnologias para transformar aquele rejeito em resíduo”, afirmou Lima, sócio do escritório Queiroz Cavalcanti.

Além disso, Lima ressaltou as falhas também das autoridades em exigir mudanças.

O desastre de Brumadinho ocorre pouco mais de três anos após uma barragem da Samarco (joint venture da Vale e da anglo-australiana BHP) se romper, em Mariana (MG), deixando 19 mortos, centenas de desabrigados e poluir o rio Doce por quilômetros, até o mar do Espírito Santo.

“Se aconteceu um segundo acidente, inclusive no mesmo Estado e com a mesma atividade, está claro que a fiscalização está deficitária... trata o problema depois que acontece, vem multando, buscando todo o recurso do mundo, mas depois que ocorreu”, afirmou.

NOVO DESASTRE, VELHOS PROBLEMAS

Ronilton Condessa, secretário do Sindicato Metabase Mariana, que representa cerca de 8 mil trabalhadores diretos da Vale e da Samarco, disse que ainda não conseguiu processar como uma tragédia como essa pode se repetir tão perto de casa e ressaltou que também não entende como uma empresa como a Vale não zela pelos seus funcionários.

Mas evitou fazer muitos comentários, destacando que tudo o que “falar agora vai ser tomado pela emoção”.

“Nós somos funcionários da empresa trabalhando embaixo de barragem, então tem que se rever isso tudo”, disse Condessa.

A avalanche de lama da barragem de Brumadinho atingiu o prédio administrativa da Vale e também o restaurante da unidade —a maioria dos desaparecidos é de funcionários da própria empresa.

Até o momento, autoridades contam 60 mortos e 292 desaparecidos com a tragédia.

O temor dos funcionários em trabalhar próximos de barragens foi algo destacado pelos sindicalistas ouvidos pela Reuters, principalmente depois de o diretor-presidente da companhia, Fabio Schvartsman, afirmar que a barragem de Brumadinho estava com atestados atualizados, provando que a estrutura era estável.

“A comunidade está muito temerosa em função do que aconteceu, muito próximo, em espaço de três anos, e a Vale garantindo a estabilidade da barragem”, disse Carlos Estevam, conhecido como Cacá, vice-presidente do Sindicato Metabase Itabira.

“A deposição a seco é uma tecnologia que já existe, depois do que aconteceu em Mariana, a Vale já poderia estar adotando.”

Valério Vieira, diretor do Sindicato Metabase Inconfidentes, afirmou que “desconfiança e temor é geral”.

“A Vale divulgou em todas as áreas que fez inspeção em todas as barragens, inclusive no nosso caso, porque exigimos isso em acordos coletivos e fora dele. Mas o que estamos observando com esse novo crime é que a política do lucro prevalece sobre a segurança dos trabalhadores e das comunidades no entorno dessas grandes unidades de mineração”, afirmou.

Vieira disse ainda que os trabalhadores são deixados de fora de decisões.

Por Marta Nogueira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below