March 22, 2019 / 10:46 PM / 3 months ago

Vale prevê recuperar rio Paraopeba e diz que rejeitos não devem atingir São Francisco

SÃO PAULO (Reuters) - A mineradora Vale disse que análises da água do rio Paraopeba mostram que é possível recuperar o manancial, impactado pelo rompimento de uma barragem da companhia em Brumadinho (MG) em janeiro, acrescentando que os sedimentos liberados pelo desastre não devem atingir o rio São Francisco.

Membro do SOS Mata Atlântica coleta água do rio Paraopeba após desastre em Brumadinho (MG) 31/01/2019 REUTERS/Adriano Machado

Em comunicado, a companhia afirmou que quatro laboratórios realizaram mais de 300 mil análises de água, solo, rejeito e sedimento, levando à conclusão de que será possível recuperar o Paraopeba.

“Lamentamos profundamente o ocorrido, mas faremos tudo o que for necessário para recuperar a bacia do rio Paraopeba, pois bem sabemos que isso é possível”, disse a gerente-executiva de Gestão Ambiental da Vale, Gleuza Jesué, em nota.

A mineradora acrescentou que a pluma de turbidez gerada pelo rompimento se localiza atualmente no reservatório da hidrelétrica de Retiro Baixo, a 300 km de Brumadinho.

“A previsão dos técnicos é de que os sedimentos provenientes do rompimento da barragem não atinjam o rio São Francisco”, afirmou a Vale.

“Do total de rejeitos aportados ao rio Paraopeba, cerca de 77 por cento ficarão retidos no reservatório da usina de Retiro Baixo e os outros 23 por cento no reservatório da hidrelétrica de Três Marias”, estimou a companhia.

A hidrelétrica Retiro Baixo tem como principais sócios Furnas, da Eletrobras, e a mineira Cemig, enquanto a usina de Três Marias pertence integralmente à Cemig.

O rompimento da barragem Córrego do Feijão, em Brumadinho, no último dia 25 de janeiro, liberou mais de 12 milhões de metros cúbicos de lama, atingindo comunidades próximas e o rio Paraopeba e deixando mais de 300 mortos e desaparecidos.

A Vale disse ainda que análises de materiais retirados de quatro pontos diferentes classificaram os rejeitos gerados pelo desastre como não perigosos à saúde.

“Os índices de toxicidade estão abaixo dos limites legais para rejeitos de mineração”, afirmou a companhia.

A empresa disse ainda que continua analisando os rejeitos e deverá ter mais resultados de análises nas próximas semanas.

Por Gabriel Araujo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below