April 22, 2019 / 10:53 PM / 3 months ago

Produção de alumínio do Brasil tem mínima histórica; recuperação depende de Alunorte

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de alumínio primário do Brasil teve em 2018 uma mínima desde o fim do século passado, quando o setor ainda fazia investimentos em capacidade produtiva, e depende da retomada da produtora de alumina Alunorte, no Pará, para se recuperar em 2019, uma vez que custos de energia pressionam o setor.

Vista aérea da refinaria da Alunorte. 30/9/2008. REUTERS/Paulo Santos

A avaliação é da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), que divulgou nesta segunda-feira um balanço do segmento e expectativas para 2019.

“Teve muito investimento no fim do século passado, o Brasil chegou a ser o quinto maior, e teve o máximo em 2008. De lá pra cá, teve aumentos expressivos de custo de energia, e alumínio primário é custo de energia mais alumina (matéria-prima)”, disse à Reuters o presidente da Abal, Milton Rego.

Após um sequência declinante a partir de 2008, quando atingiu produção recorde de quase 1,7 milhão de toneladas, o setor ainda sustentou-se entre 2015 e 2017, vindo a registrar recuo anual mais expressivo (17 por cento) em 2018, para 659 mil toneladas, com problemas que atingiram a produção da Alunorte, fornecedora de matéria-prima para a Albras.

A Albras, maior produtora de alumínio primário do Brasil, pertencente à norueguesa Norsk Hydro e à japonesa Nippon Amazon Aluminum, teve a produção afetada após a Alunorte ter sido obrigada a reduzir a fabricação de alumina pela metade por decisão judicial devido a um vazamento em fevereiro de 2018.

Há expectativas de que a Alunorte, maior produtora global de alumina, retome atividades em 2019, com especialistas garantindo que ações tomadas evitariam um novo problema.

Mas para o presidente da Abal é o preço da energia que tem mais pesado no setor, que fechou cinco unidades entre 2011 e 2015, sendo a Alcoa a última a encerrar atividades no país.

Atualmente, além da Albras, apenas a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), do grupo Votorantim, que gera a energia para a unidade, produz o metal no país, segundo a Abal.

A energia elétrica responde por quase 70 por cento do custo de produção do alumínio nacional.

“É um peso brutal, a conta simplesmente não fecha”, disse o dirigente, que tem expectativa de que mudanças sejam implementadas pelo governo para trazer alívio ao segmento.

Para o dirigente da associação, não fosse o desastre com a barragem de minério de ferro da Vale, em Brumadinho (MG), que elevou a cautela para o setor mineral, a Alunorte já teria voltado à capacidade normal.

“A Alunorte já cumpriu tudo o que teria de cumprir, está nas mãos do juiz. É um sentimento equivocado colocar tudo (Brumadinho e Alunorte) como uma coisa só.”

“Com a Alunorte, o setor voltaria a 800 mil toneladas/ano, níveis de 2017, porque basicamente a mesma estrutura industrial está lá.”

IMPORTAÇÃO

Se a produção de alumínio primário tem caído, a demanda tem crescido, sendo atendida por importações e pela produção de alumínio secundário, oriundo da reciclagem.

No ano passado, o consumo de alumínio no país cresceu cerca de 10 por cento em relação a 2017, a 1,38 milhão de toneladas. Dos setores que usam o metal, os maiores aumentos foram em embalagens, transportes e eletricidade.

Segundo Rego, a demanda por alumínio cresceu acima do PIB do Brasil nos últimos 15 anos, e as importações crescentes deverão novamente preencher a lacuna da produção estagnada em 2019.

Em 2018, as importações de transformados de alumínio (chapas, folhas, etc) somaram quase 200 mil toneladas, aumento de cerca de 40 por cento. Considerando a importação do metal bruto, as compras externas totalizaram 355 mil toneladas.

Ele lamentou as importações crescentes, uma vez que o Brasil tem a terceira maior reserva de bauxita, mineral usado para a produção de alumina.

Por Roberto Samora; edição de Aluísio Alves

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below