April 23, 2019 / 6:24 PM / a month ago

Maiores sanções dos EUA ao petróleo do Irã atingirão Ásia, mas oferta fluirá

CINGAPURA (Reuters) - Os compradores asiáticos de petróleo do Irã estão bem posicionados para superar o fim das isenções dos Estados Unidos às sanções aplicadas à República Islâmica, à medida que demonstram que podem viver sem elas e que produtores globais apresentam capacidade para compensar um déficit, de acordo com dados de analistas e do comércio.

Na segunda-feira, os EUA exigiram que compradores de petróleo iraniano paralisem aquisições a partir de maio ou enfrentem sanções, encerrando as isenções de seis meses que permitiam aos oito maiores compradores do produto do Irã, a maioria deles asiáticos, a continuarem importando volumes limitados.

O anuncio vem em meio a um mercado já apertado, conforme a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e outros grandes produtores, como a Rússia, vêm cortando ofertas desde janeiro para sustentar os preços.

O fim das sanções deve diminuir os embarques iranianos em 900 mil barris por dia (bpd), disse o Goldman Sachs na segunda-feira. Isso é mais que compensável pela capacidade extra “imediatamente disponível” de produtores como Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos (EAU) e Rússia, de cerca de 2 milhões de bpd, podendo chegar a 2,5 milhões de bpd em 2020.

Em um comunicado sobre o fim das isenções, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que seu país, a Arábia Saudita e os Emirados garantiriam o suprimento total aos mercados.

“Os Estados Unidos mais que provaram que são capazes de preencher qualquer lacuna deixada pelas sanções”, disse Matt Stanley, corretor da Starsfuel em Dubai.

Mesmo que a produção norte-americana diminua, completou Stanley, “a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos irão garantir que ampliarão a produção para compensar qualquer perda de oferta a partir do Irã.”

Os quatro maiores compradores asiáticos de petróleo iraniano (China, Índia, Japão e Coreia do Sul) aumentaram importações em março e abril, antecipando o fim das isenções. Antes disso, porém, todos os países mostraram que podem reduzir suas aquisições.

Antes das sanções, o Irã era o quarto maior produtor da Opep, com quase 3 milhões de bpd, mas as exportações em abril de 2019 encolheram para cerca de 1 milhão de bpd, de acordo com dados de embarcações e análises da Refinitiv.

Reportagem de Henning Gloystein em Cingapura, com reportagem adicional de Muyu Xu em Pequim, Jane Chung em Seul e Aaron Sheldrick em Tóquio

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below