April 24, 2019 / 8:22 PM / 5 months ago

Com exterior ruim, dólar flerta com R$4 em meio a dúvidas sobre Previdência

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar disparou ante o real nesta quarta-feira, fechando no maior patamar em quase sete meses e muito perto do nível psicológico de 4 reais, refletindo a percepção de que a reforma da Previdência pode enfrentar um caminho mais sinuoso pela frente.

Mulher passa pela frente de corretora de câmbio no Rio de Janeiro. 4/4/2019. Picture taken April 4, 2019. REUTERS/Pilar Olivares

O dólar à vista BRBY terminou a sessão em alta de 1,63 por cento, a 3,9863 reais na venda. É o maior patamar de fechamento desde 1º de outubro do ano passado (4,0183 reais).

Na máxima do pregão, a moeda bateu os 3,9950 reais.

Na B3, a referência do dólar futuro DOLc1 subia 1,76 por cento por volta de 17h40, para 3,9910 reais.

O real amargou o segundo pior desempenho global nesta sessão, só à frente do combalido peso argentino ARS=. Mas o pregão como um todo foi de fortes perdas para moedas de perfil semelhante ao da brasileira, diante de sinais de força dos EUA em relação ao restante do mundo, o que corrobora expectativas de migração de capital para os mercados norte-americanos em detrimento de emergentes como o Brasil.

“A reação do dólar no mundo foi muito forte, e há uma discussão sobre se a alta sequencial do petróleo pode ser inflacionária, o que reduz o tom ‘dovish’ do Fed”, disse Cleber Alessie, operador da mesa financeira da H.Commcor.

Analistas da Kayros Consultoria destacaram em nota a correlação positiva entre o dólar no Brasil e o índice que mede o valor da moeda norte-americana frente a uma cesta de divisas .DXY. Com isso, os analistas lembram o peso dos fatores externos na formação do preço da taxa de câmbio local.

Porém, a performance mais fraca do real nesta sessão se deveu a um ajuste de posições passada a esperada aprovação do texto da reforma da Previdência na CCJ —a primeira e teoricamente mais simples etapa dos trâmites.

A PEC que muda as regras das aposentadorias foi aprovada na comissão da Câmara dos Deputados após acordo fechado pelo governo para retirar trechos do texto. O aval ao texto foi lido pelo mercado como mérito do centrão e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com problemas ainda aparentes na articulação do governo, que agora precisa convencer os deputados da comissão especial, que analisará o conteúdo da proposta.

Nesta quarta-feira, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, avaliou ser necessário que o governo se empenhe mais pela aprovação da matéria.

“O mercado busca a segurança do dólar porque ainda vê um caminho ainda muito complicado para a reforma”, disse Thiago Silencio, operador de derivativos na CM Capital Markets. “O sentimento de que a vitória foi menos do governo agora gera grande dúvida sobre a capacidade do governo de convencer o Congresso a favor da reforma”, completou.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below