May 20, 2019 / 4:27 PM / in 2 months

Justiça retira embargo à produtora de alumina Alunorte, diz Norsk Hydro

OSLO/SÃO PAULO (Reuters) - A Justiça Federal em Belém revogou um embargo à refinaria de alumina Alunorte, que operava há mais de um ano com metade de sua capacidade, informou a norueguesa Norsk Hydro em comunicado nesta segunda-feira.

Refinaria Alunorte, em Barcarena (PA) 30/09/2008 REUTERS/Paulo Santos

A unidade, maior fabricante global de alumina e fornecedora fundamental da indústria de alumínio, estava operando com restrições por decisão judicial devido à descoberta de despejos ilegais de efluentes não tratados pela fábrica na floresta amazônica, em fevereiro do ano passado.

A retomada na Alunorte pode alavancar o lucro da Hydro no curto prazo, disse recentemente a presidente-executiva da empresa, Hilde Merete Aasheim.

A empresa afirmou também que a produção na mina de bauxita (matéria-prima da alumina) da Hydro em Paragominas será ampliada conforme a velocidade da retomada de produção na Alunorte.

Uma decisão de aumentar também a produção na planta de alumínio primário Albras, da qual a Hydro é acionista, é esperada em breve, disse a Hydro em comunicado nesta segunda-feira.

A decisão do tribunal federal de levantar o embargo vem após uma audiência no mês passado.

A empresa acrescentou que a Alunorte poderá alcançar de 75% a 85% de utilização dentro de dois meses.

“A retomada da produção na Alunorte é um passo importante para a produção normal em nossas operações estrategicamente importantes no Pará e uma base para nossa agenda para fortalecer a robustez e a lucratividade em toda a cadeia de valor”, disse a CEO da empresa em nota nesta segunda-feira.

A Alunorte tem capacidade de produção anual de 6,3 milhões de toneladas.

A previsão é que um filtro prensa adicional entre em operação na unidade no terceiro trimestre de 2019, aumentando ainda mais a capacidade a partir de então.

A empresa destacou, no entanto, que continua em vigor um embargo da Justiça Federal que impede o uso pela Alunorte de sua nova área de Depósito de Resíduos de Sólidos (DRS2).

“Vamos nos concentrar em elevar a produção de forma segura, após vários meses de operações interrompidas, bem como continuar trabalhando para também retirar os embargos da nova área de depósito de resíduos de bauxita, o DRS-2”, disse o vice-presidente executivo da área de negócios de Bauxita e Alumina, John Thuestad.

A empresa acrescentou que, enquanto isso, continuará a utilizar o depósito DRS1- “com a moderna tecnologia do filtro prensa”.

Não ficou imediatamente claro se a empresa poderá voltar a operar com 100 por cento da capacidade caso o embargo ao DRS2 continue em vigor.

Por Terje Solsvik; reportagem adicional de Roberto Samora em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below