June 27, 2019 / 7:02 PM / 18 days ago

BC contradiz Guedes e afirma que não há definição sobre montantes de novos cortes no compulsório

(Reuters) - O Banco Central esclareceu nesta quinta-feira não há “definições de prazos ou montantes” sobre reduções no recolhimento de depósito compulsório dos bancos, após o ministro da Economia, Paulo Guedes, dizer que haverá liberação de mais de 100 bilhões de reais desses recursos para ampliar o crédito privado.

Ministro da Economia, Paulo Guedes 12/06/2019 REUTERS/Adriano Machado

“O BC não antecipa decisões ou regulações”, afirmou a autoridade monetária em nota publicada em seu site.

Na prática, o menor recolhimento de compulsório dá amparo para que os bancos possam emprestar maior parcela das suas reservas, o que poderia movimentar a economia, se houver demanda para isso.

Mais cedo, Guedes havia feito o comentário depois se reunir com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). A jornalistas, o ministro demonstrou otimismo sobre as negociações com o Legislativo em torno da reforma da Previdência.

Citando medidas em discussão e propostas para destravar a economia, Guedes afirmou que os avanços têm acontecido em “ótimo” ritmo e que o governo tem “despedalado” bancos públicos, melhorando a alocação de recursos e expandido o crédito privado.

“Toda a equipe está trabalhando. As coisas não acontecem por acidente”, afirmou Guedes a jornalistas junto com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), depois de encontro entre ambos.

Guedes citou ainda ações para baratear o preço do gás, com quebra de monopólio tanto na atividade de extração e refino quanto na de distribuição, com expectativa de redução do preço entre 30% e 40% “no final da linha”. “Vamos reindustrializar o país em cima de energia barata.”

O ministro da Economia admitiu que se ressentiu da retirada de Estados e municípios do parecer da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara e também da exclusão de servidores públicos do relatório.

Guedes comentou sobre eventuais dificuldades derivadas de resistências de membros de alguns partidos com relação à inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência.

“Essas questões locais... às vezes um partido qualquer quer a reforma, mas não quer pagar o custo político. [...] Dê um passo para frente, assuma o custo político e vamos botar o Brasil para crescer.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below