June 27, 2019 / 10:17 PM / 24 days ago

CMN fixa meta de inflação de 3,50% para 2022; secretário diz que decisão não implica alta de juro

BRASÍLIA (Reuters) - O Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou nesta quinta-feira em 3,50% a meta de inflação para 2022 pelo IPCA, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual, para mais ou para menos.

Moedas de real brasileiro. 15/10/2010. REUTERS/Bruno Domingos

Trata-se de uma redução em relação às metas para até 2021. Os alvos para 2019, 2020 e 2021 são de 4,25%, 4,00% e 3,75%, respectivamente, todos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

Em coletiva para comentar a decisão, o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, destacou que a decisão de diminuir a meta não implica que o Banco Central precisará subir os juros à frente. Segundo ele, é importante que se tenha meta baixa porque ela ancora as expectativas para os preços.

Também na coletiva, o subsecretário de Política Macroeconômica, Vladimir Kuhl Teles, disse que a fixação de uma meta menor para a inflação é explicada em parte pelo otimismo sobre o futuro.

“A partir do momento que você determina uma meta (de inflação) futura mais baixa e ela é crível, você não vai precisar aumentar juros” para eventuais ajustes de preços, disse Teles.

As expectativas de inflação no Brasil têm permanecido baixas mesmo com a Selic em sua mínima histórica (6,50% ao ano) e a despeito da expectativa do mercado pela retomada de flexibilização monetária nos próximos meses pelo Banco Central.

Analistas consultados pelo BC estimam alta de 3,82% para o IPCA em 2019, de 3,95% para 2020 e de 3,75% para 2021 e 2022, segundo a mais recente edição da pesquisa Focus. Ao mesmo tempo, o mercado prevê que a Selic cairá para 5,75% ao fim de 2019, ante os atuais 6,50%.

No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado mais cedo nesta quinta-feira, o BC previu inflação de 3,6% em 2019 e de 3,9% em 2020, em cenário que considera trajetórias de juros e câmbio previstas pelo mercado.

Tanto o mercado quanto o BC têm destacado a importância da agenda de reformas para o cenário inflacionário. Nesta quinta, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse ser importante avaliar o impacto sobre o canal de transmissão para a inflação decorrente da aprovação ou não da reforma da Previdência.

“Com as reformas implementadas nos últimos anos (teto do gasto, trabalhista, terceirização, TLP, entre outras), e a aprovação da Nova Previdência, a taxa neutra de juros no país está em queda, o que justifica a redução na meta para a inflação em 2022”, disse José Márcio Camargo, economista-chefe da Genial Investimentos.

“Podemos estar começando uma fase de juros estruturalmente mais baixos com inflação controlada. Se o BC respeitar sua meta, mesmo sem errar para baixo a partir de 2020, como tem feito, teremos uma média (de inflação) 3,7% entre 2019-2022”, afirmou Ivo Chermont, sócio e economista-chefe da gestora Quantitas.

Reportagem adicional de José de Castro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below