July 1, 2019 / 1:04 PM / 2 months ago

Indústria brasileira melhora em junho com entrada de novos trabalhos, segundo PMI

SÃO PAULO (Reuters) - O setor industrial brasileiro se fortaleceu em junho, diante do aumento da entrada de novos trabalhos, melhorando a confiança, mas não o suficiente para evitar demissões, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgada nesta segunda-feira.

REUTERS/Nacho Doce

O IHS Markit informou que o PMI da indústria do Brasil subiu a 51,0 em junho, de 50,2 em maio, afastando-se da marca de 50,0 que indica estagnação.

“A notícia traz algum alívio às autoridades já que o setor industrial como um todo continua a sofrer com o desastre de Brumadinho”, afirmou a economista do IHS Markit, Pollyanna De Lima.

Segundo o levantamento, o ponto alto do mês foi bens de capital, que superou os subsetores de bens intermediários e de consumo no que se refere a produção, vendas e compras de insumos.

Os bens intermediários apresentaram alta em todos esses quesitos, mas as empresas de bens ao consumidor registraram contração.

A produção como um todo aumentou em meio a relatos de crescimento das vendas e ganhos de produtividade. Mas, embora o ritmo tenha acelerado em relação a maio, ainda foi o segundo mais baixo desde outubro.

O mês de junho foi marcado pelo aumento na entrada de novos trabalhos. Segundo as empresas consultadas, a demanda melhorou, e dados sugerem que o mercado doméstico foi a principal fonte de crescimento das vendas, já que as exportações caíram no ritmo mais forte em 29 meses.

Para conter os custos, os empresários voltaram a reduzir o quadro de funcionários pela segunda vez seguida, embora o setor de bens de capital tenha apresentado criação de vagas.

Os custos de insumos aumentaram em junho em um movimento relacionado à apreciação do dólar, embora a taxa de inflação tenha caído para a mínima de três meses. Como conseguência, os preços de venda aumentaram.

Mas a confiança do setor melhorou em junho, depois de em maio atingir o patamar mais baixo em 19 meses, com as empresas esperando que novos contratos, diversificação de produtos e reformas estruturais ajudem a produção nos próximos 12 meses.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below